Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

13
Jun07

parte III Conto Guy de Maupassant

AnnaTree

Coisas lidas...


(...) durou isto três meses. Depois parti para a América, o coração esmagado de desespero. Mas a sua recordação ficou em mim. Possuía-me de longe como me possuía de perto. Passaram-se anos. Não a esquecia não a podia esquecer. (...) Parecia-me realmente que alguns meses apenas me separavam da encantadora estação balnear de Etart.
Na Primavera ultima fui jantar a Maison Lafitte, a casa de uns amigos. No momento em que o trem partia, uma dama bastante nutrida subiu para o meu wagon, acompanhada de quatro meninas. Relanceei o olhar para essa mãe galinha, muito larga, muito redonda, cujas as faces de lua cheia estavam emolduradas num chapéu de estação, com muitas flores e fitas de mau gosto. Respirava fortemente fatigada de ter marchado depressa. As crianças essas eram encantadoras! Abri o jornal do dia e pus-me a ler.
Acabávamos de passar a estação d'Asnieres quando a minha companheira de jornada me disse á queima-roupa:
Peço desculpa, não é o Sr. Carnier que tenho a honra de falar?
- Sim, minha senhora
E então ela desatou a rir, mas o riso contente, o largo riso de uma honesta e simples mulher, contudo um pouco triste.
- Não me reconhece?
Hesitava. Parecia-me com efeito ter visto algures aquela cara. Mas onde? Quando?
- sim... e não...conheço-a certamente minha senhora, mas sem poder lembrar-me do seu nome.
Ela fez-se um pouco vermelha
- Madame Júlia Lefréve
Nunca recebi um golpe semelhante. Pareceu-me que naquele segundo tudo acabara para mm. Senti unicamente que se rasgara um véu a meus olhos e que ia descobrir coisas horrorosas, desoladoras, cheias de uma tristeza amarga.
Era essa, gorda mulher tão burguesa, tão comum, ela! E tivera uma postura de quatro rapariguinhas desde que a deixei de ver. E esses pequeninos seres amados espantavam-me tanto como a própria mamã. Saiam dela; eram já crescidos, tinham o seu lugar á mesa da existência. E a mãe, a mãe não era já o que foi, uma flor coquete e fina, uma maravilha de graça e encanto. Vi-a ontem parecia-me até e hoje encontrava – a assim era pois possível? Uma dor violenta, funda, apertava-me o coração e também a revolta contra a própria natureza – uma indignação irreflectida, contra essa obra brutal, infame de destruição.

4 comentários

Comentar post