Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

26
Nov09

Pássaros de seda Rosa Lobato Faria VIII

AnnaTree

Coisas Lidas
Era um cego que tinha uma viola de doze cordas, disse um dia o tio zebra.
Tocava-a nas feiras e nos balhos, todo o povo gostava de repenicar ao som das suas modas. Andava cego pelas terras alem com a sua viola, o seu cajado e o seu cão, quando um dia adregou de topar com um tartamudo que lhe pediu que tocasse, por muitos gestos e sinais. O cego tocou, o mundo que também era surdo nada ouviu.
Por ali passava um coxo com fama de santo, apoiado no seu pupilo que era um menino iluminado, que lhe servia de guia e lhe traduzia os pensamentos, já que o santo falava por charadas e ninguém, a não ser o menino, o entendia. Corda partida, catarata caída, boca florida, cera derretida.
O cego não percebeu patavina, o surdo ainda menos, o menino vá de explicar que por cada corda da viola que se partisse, menos cego ficava o cego, menos mudo ficava o mudo e menos surdo o surdo.
E dai? Disse o cego. Dai que a vida é feita de dozes cordas como a tua viola, e por cada uma q eu se usa e parte, melhor se vê, melhor se ouve e melhor se fala.
E mal dos manetas que não a tanjam com os dentes, disse o santo,
E isto o que seja, perguntou o cego.
Isto quer dizer que quem não tiver unhas para usar e partir todas as cordas ou na falta de unhas não use, para tange-las, todo o seu engenho, não terá vivido e morrera cego, surdo e mudo.
Quer dizer que quando partirem todas as doze cordas eu serei capaz de ver e o surdo-mudo de ouvir e falar?
O santo não respondeu. Não sei, disse o menino. Mas segue tangendo a tua viola, deixa que a corda se parta de forma natural, umas na tristeza e outras na alegria, uma na fome e outras na fartura, umas no bulício, outras na solidão. E quem viver vera e quem tanger cantará. E abalaram os dois
O cego e o surdo-mudo juntaram-se na sua peregrinação pelo mundo, as cordas da viola lá se foram partindo uma a uma, eles foram ficando mais sábios e mais percebe dores da vida e dos outros e da obra de Deus e um dia, quando á viola restava uma corda só, vieram num fim de uma feira, uns bêbados que lha partiram e ao verem aqueles três, cego, surdo e cão sarnento, os encheram de pau e os mataram. Agora compreendo, disse o mudo, já com a boca da alma sou capaz de falar, já oiço o coração dos outros a bater e tu? Eu vejo tudo, disse o cego. Mas vejo mais que tudo os meus erros e vejo que a vida é cheia deles e vejo que para emenda-los é tarde demais
Não será tarde de mais, disse o mudo. Porque os outros aprenderão a tanger as suas violas, a usar a vista, o ouvido, a voz, as unhas e os dentes que o senhor lhes deu, em vez de ficarem a tocar para os outros bailarem, de mão estendida, á espera duma esmola.