Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

30
Jan09

O último voo do flamingo Mia Couto lido 2005

AnnaTree

Coisas Lidas

(...)
São vozes que não escuto, senão no sangue, como se a sua lembrança me surgisse não da memória, mas do fundo do corpo
(...)
O que se passou só pode ser contado por palavras que ainda não nasceram.
(...)
Os amados fazem-se lembrar pela lágrima. Os esquecidos fazem – se lembrar pelo sangue.
(...)
O mundo não é o que existe, mas o que acontece.
(...)
Novo e cru, eis o facto: apareceu um pénis decepado, em plena estrada.

 

28
Jan09

As doenças psicossomáticas VIII

AnnaTree

Coisas Lidas

(...) O peso pode variar na sequência dum acontecimento doloroso: Luto, divórcio difícil, desemprego, etc. Estes choques afectivos acabam por ecoar nos centros que comandam o apetite e criam falsas necessidades no cérebro. Não só se come mais como também o metabolismo das gorduras está alterado. Conseqüências: massas de gordura e placas de celulite.
(...) é preciso ter presente que, no cérebro, os centros da vida emocional são vizinhos dos da fome...As perturbações num reflectem-se necessariamente, sobre o outro. As tensões, o esgotamento, as insatisfações afectivas, sexuais, etc., podem assim, pela sua repetição, perturbar esse maravilhoso pequeno computador de 4gr. Que é o hipotálamo. As ordens deste serão, portanto, anárquicas, e o centro do apetite degradar-se-á.
(...) Os psicólogos são unânimes em dizer que todo o nosso comportamento alimentar é determinado durante os primeiros anos de vida e em fornecer a seguinte explicação: se a mãe responde ao sinal de fome do bebé, dando-lhe de comer, inscrever-se-á nele a noção exacta da fome; mas se ela responder a outras mensagens (necessidade de carinho, dor de barriga) com comida, a criança já não saberá estabelecer a diferença entre a fome e as suas outras necessidades. Se a mãe não receber correctamente as mensagens do filho, este misturará tudo, não fará a distinção entre pulsões físicas e emocionais, o que pode provocar uma confusão grave na sua cabeça.

26
Jan09

As doenças psicossomáticas VII

AnnaTree

Coisas Lidas
O alimento: uma droga que estabelece um corte

(...) Todas as nossas relações com o alimento vão buscar as origens ao mais profundo de nós mesmos. Elas têm um sentido, sendo, na realidade, uma linguagem inconsciente. Todas as doenças do saber comer são, de facto, doenças da ansiedade das feridas da unidade ou do equilíbrio do próprio ser.
Uma ,petisca durante todo o dia para se tranquilizar para diluir o tédio, a solidão, outra bebe para dar resposta a uma situação angustiante, para apagar as suas frustrações ou para se isolar, ao mesmo tempo, da realidade interior e da exterior (o tabaco também é uma droga que corta) e, finalmente, uma outra engorda quando tem contrariedades: para ela, é uma maneira como outra qualquer de «hibernar», colocando a gordura entre si e o mundo exterior que se tornou agressivo.

23
Jan09

As doenças psicossomáticas VI

AnnaTree

Coisas Lidas
Sofrimentos morais e gritos do corpo.
Somos prisioneiros do nosso passado, na nossa maneira de reagir ao mundo. No plano da saúde, o bom funcionamento ou o desregramento dum organismo estão estreitamente ligados á maneira como o indivíduo se comporta perante a vida, conforme ele a enfrenta ou se submete a ela. Deste modo, num determinado indivíduo, uma situação psicológica difícil será facilmente ultrapassada, enquanto, num outro, pelo contrário a mesma contrariedade suscita uma tensão ou irá despertar ou reactivar velhos conflitos, interdições ou frustrações antigas. E, se ele não conseguir expulsar, exteriormente ou verbalizar esses sofrimentos interiores, o seu corpo gritará ou dará berros por ele, o que poderá traduzir-se imediatamente por uma crise de asma, por dores gástricas ou cardíacas ou por uma imono deficiência.O equilíbrio psíquico e a capacidade de se distanciar das tensões são, portanto, elementos determinantes no desencadear da doença. Se um deles falhar, os vírus ou bactérias atacarão com toda a força...

21
Jan09

As doenças psicossomáticas V

AnnaTree

Coisas Lidas
Um retrato Robot dos que sofrem de enxaqueca
Seria um ser hiperemotivo, ansioso, senhor de extremo auto domínio, um nervoso constrangido, um perfeccionista, um ser rígido sem qualquer válvula para dar livre curso ás suas emoções.
Aliás, existem psicoterapias específicas para os que padecem de enxaqueca, com vista a abrandar esta rigidez mental.Quanto aos tratamentos das cefaléias, em geral, podem passar pela Biorretroação, que permite vigiar melhor a vasoconstrição (nomeadamente os músculos frontais e da nuca).
Estes tratamentos, evidentemente, fazem-se paralelamente com a farmacopéia habitual: analgésicos derivados da cravagem de centeio, ergotamina, etc.

20
Jan09

The Raven

AnnaTree

 

 


O CORVO Edgar Allan Poe


Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de alguém que batia levemente a meus umbrais.
"Uma visita", eu me disse, "está batendo a meus umbrais.
É só isto, e nada mais."
Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro
E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
Como eu qu'ria a madrugada, toda a noite aos livros dada
P'ra esquecer (em vão!) a amada, hoje entre hostes celestiais -
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
Mas sem nome aqui jamais!
Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
Mas, a mim mesmo infundindo força, eu ia repetindo:
"É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
É só isto, e nada mais."
E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
"Senhor", eu disse, "ou senhora, de certo me desculpais;
Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo
Tão levemente, batendo, batendo por meus umbrais,
Que mal ouvi..." E abri largos, franqueando-os, meus umbrais.
Noite, noite e nada mais.
A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
E a única palavra dita foi um nome cheio de ais -
Eu o disse, o nome dela, e o eco disse os meus ais,
Isto só e nada mais.
Para dentro então volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
"Por certo", disse eu, "aquela bulha é na minha janela.
Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais.
Meu coração se distraia pesquisando estes sinais.
É o vento, e nada mais."

 

Pág. 1/3