Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

28.02.09

(Chiquinha Gonzaga)


AnnaTree

Desde cedo freqüentava rodas de lundu, umbigada e outras músicas populares típicas dos escravos. Aos 11 anos, inicia sua carreira de compositora com uma música natalina, Canção dos Pastores. Aos 16 anos, por imposição da família, casou-se com Jacinto Ribeiro do Amaral, oficial da Marinha Imperial. Não suportando a reclusão do navio onde o marido servia e as ordens para que não se envolvesse com a música, Chiquinha separou-se. Consegue,finalmente,abandoná-lo,levando consigo o filho mais velho, João Gualberto.Após a separação, envolveu-se em 1867 com o engenheiro João Batista, mas acaba por não aceitar suas aventuras extraconjugais. Separa-se e passa a viver como musicista independente, tocando piano em lojas de instrumentos musicais.Deu aulas de piano para sustentar o filho e obteve grande sucesso, tornando-se também compositora de polcas, valsas, tangos e cançonetas. Ao mesmo tempo, uniu-se a um grupo de músicos de [[choro],que incluía ainda o compositor Joaquim Antônio da Silva Calado, apresentando-se em festas. Chiquinha conheceu João Batista Fernandes Lage, por quem se apaixonou. Na época, tinha 52 anos e João Batista 16, o que fez com que ela o adotasse como filho para viver esse grande amor. Suas filhas, Maria do Patrocínio e Alice Maria,entraram na justiça para provar que João não era filho legítimo, mas não levaram a causa adiante.Chiquinha morreu ao lado de João Batista, em 1935,quando começava Carnaval. A necessidade de adaptar o som do piano ao gosto popular valeu a Chiquinha Gonzaga a glória de tornar-se a primeira compositora popular do Brasil(http://pt.wikipedia.org/wiki/Chiquinha_gonzaga)


 

 

27.02.09

O último voo do flamingo Mia Couto IVX


AnnaTree

Coisas Lidas
O senhor, num próximo tempo, vai deixar de ser ministro. Transitará para ex-ministro. Mas eu não transitarei nunca. Uma puta nunca é» ex.». Há uma ex-enfermeira, há ex-ministro...só não existe ex-prostituta. A putice é condenação eterna, uma mancha que não se lava mais.
(...)
Espalham aí que dou donativo de corpo, faço de graça com os que não podem pagar. Dizem dou cambalhota de encomenda, só assim, pela alma dos defuntos. Vale a pena responder a estas mentiras? É inútil como limpar a ferrugem do prego. Eu é que sei a minha vida. Quem conhece a sujidade do muro é o caracol que trepa na parede. Mais ninguém sabe o que eu penso, agora? Ando a desbotar coxa com ingratos, é como arranhar pedra com unhas. Este mundo tem mais dentes que bocas. É mais fácil morder que beijar, acredite, doutor. Aproveito dizer isto, que eu nunca falei com um ministro central, está a entender?

25.02.09

O último voo do flamingo Mia Couto XIII


AnnaTree

Coisas Lidas
(...)
- Tenho saudades de minha casa, lá na Itália.
- Também eu gostava de ter um lugarzinho meu, onde pudesse chegar e me aconchegar.
- Não tem, Ana?
- Não tenho? Não temos, todas nós, as mulheres.
- Como não?
- Vocês, homens, vêm para casa. Nós somos a casa.
(extracto de um dialogo entre o italiano e Ana Deusqueira.)

23.02.09

O último voo do flamingo Mia Couto XII


AnnaTree

Coisas Lidas
Porém, com os donativos da comunidade internacional, as coisas tinham mudado. Agora, a situação era muito contrária. Era preciso mostrar á população com a sua fome, com as suas doenças contaminosas. Lembro bem as suas palavras, Excelência: a nossa miséria esta a render bem. Para viver num pais de pedintes é preciso arregaçar as feridas, colocar á mostra os ossos salientes dos meninos (...) essa é actual palavra de ordem. Juntar os destroços, facilitar a visão do desastre. Estrangeiro de fora ou da capital deve poder deve poder apreciar toda aquela coitadeza sem despender grandes suores. E, por isso, os refugiados vivem há meses acampados nas redondezas da administração, dando ares da sua desgraça.
(...)
- Vá devia ser como esses passaritos que vivem nas costas do hipopótamo: ser precisado pelos grandes, mas não ser visto por ninguém.
Eu me irrito com as bazófias dela. Se é tão esperta
Porque razão não é ela a administradora?

22.02.09

Biblioteca na Holanda


AnnaTree

No Egipto, as bibliotecas eram chamadas ''Tesouro dos remédios da alma''. De facto é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras
Autor: Bossuet , Jacques


 

 

20.02.09

O último voo do flamingo Mia Couto XI


AnnaTree


Coisas Lidas
(...)
Mudam-se os tempos, desmudam-se as vontades.
(...)
Sem que desse conta eu me abria e confessava antigas lembranças ao estrangeiro. Vantagem de um estranho é que confiamos essa mentira de termos uma só alma.
(...)
Conselhos de minha mãe foram apenas silêncios. Suas falas tinham o sotaque de nuvem.
- A vida é que é a mais contagiosa – dizia
Eu lhe pedia explicação do nosso destino, ancorados em pobreza.
- Veja você, meu filho, já apanhou mania dos brancos! E inclinava a cabeça como se a cabeça fugisse do pensamento e me avisava: - Você quer entender o mundo que é coisa que nunca se entende.
(...)
Depois de mim seu ventre se fechou. Eu não era apenas um filho era o castigo dela não mais poder ser mãe. E aquele destino em outras punições se multiplicou: meu pai, em lugar de lhe reservar mais carinho, passou a lhe infligir penas, deitando – lhes as culpas pelos males do universo. E se sentiu aliviado: se ela perdera a fertilidade, ele tinha o direito de não ter deveres.
- Agora eu já não sou sujeito de nada. Me irresponsabilizo. E passou a dormir fora, gastando sua idade em leitos de outras. Minha mãe chorava enquanto dormia na solidão do leito desconjugal. Não soluçava, nem se escutava que despejo da tristeza. Só as lágrimas lhe escorriam sem pausa durante a noite.

18.02.09

O último voo do flamingo Mia Couto X


AnnaTree

Coisas Lidas
(...)Foi Ana Deusqueira quem emitiu um estalar de dedos.
(...)
A prostituta enfeitou-se como se estivesse emoldurada, mãos sobre as coxas. Altiva, ficou olhando a comitiva desaparecer sem dignar um aceno de despedida. Quando a poeira reassentou, ela ainda soslaio um breve olhar na estrada. Confirmou, então, que Massimo Risi ficara na vila, juntamente com uma porção de chefes. Ana Deusqueira se aproximou dele e disse:
- Morreram milhares de moçambicanos, nunca vos vimos cá. Agora, desaparecem cinco estrangeiros e já é o fim do mundo?
O italiano permaneceu mudo. Ana Deusqueira se encostou nele, dengosamente, e prometeu que ajudaria a esclarecer o mistério. Por exemplo ela podia adiantar um segundo do que observara do resto do malogrado. Por acaso, o estrangeiro notara o tamanho daquele resto?
A esperança revelação se fez ouvir:
- Esse homem ai era do sexo masculino.
E a prostituta deflagrou uma gargalhada enquanto afastava uma imaginada poeira dos fios esmorecidos de sua falsa cabeleira.

Pág. 1/3