Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

29
Jun09

a coragem de mudar de willy pasini e donata francescatoXVII

AnnaTree

Coisas lidas
«Quem deixa a estrada velha pela nova sabe o que perde, mas não sabe o que encontra»

BONS HABITOS
Vestir-se segundo rituais que se repetem, ir para o escritório percorrendo sempre o mesmo caminho: rotinas que libertam a mente para actividades inovadoras e, por vezes, criativas. Os homens sabem que ao fazer a barba de manhã têm muitas vezes as melhores intuições do dia. Ás mulheres acontece o mesmo, talvez quando conduzem: um «espaço mental» livre entre a casa e o trabalho. É como se a actividade «repetitiva» impregnasse a parte direita e racional do cérebro, deixando assim espaço á parte esquerda, mais criativa e imaginativa.
O HABITO CRIA SEGURANÇA E REDUZ A ANSIEDADE

(...)
Também para os adultos alguns hábitos são tranquilizadores: ir de férias para o mesmo lugar encontrar os amigos de sempre no bar do costume são comportamentos que têm um claro efeito anti-ansiedade. E nos sentimentos? Há pessoas para as quais a rotina é fonte de segurança: são fies e felizes, porque fazer amor com o mesmo parceiro, do mesmo modo, reencontrando sempre um ritmo e um corpo conhecidos significa para eles serenidade.


 

26
Jun09

a coragem de mudar de willy pasini e donata francescatoXVI

AnnaTree

Coisas lidas
MUDANÇAS SOCIAIS: VIVER SEM «REDE»

(...)
Neste sistema de cumplicidade recíproca de mutuo conluio que lhes permite a sobrevivência mas não a felicidade, há um único grande ausente: o desejo de Paolo. É este sinal de alarme que lhes indica que a sua relação deve encontrar um novo equilíbrio. Compreender porque razão o desejo esmorece é, de resto, para qualquer casal (e não apenas para Paolo e Flávia) a base de onde partir para rever periodicamente as regras do jogo a dois

MUDANÇAS AFECTIVAS: GERIR O NOVO, ACEITAR A PERDA
(...)
De resto, como defende a psicóloga Vera Slepoj, a família nem sempre está ligada pelo amor, mas sim, por vezes por tenazes segredos, se não mesmo por sórdidos compromissos.
(...)
A separação é um acontecimento dotado de uma forte carga emotiva que carregamos connosco desde o nascimento, porque entrar na vida significa também sair e separar-se do ventre materno. E nas subsequentes fases do crescimento, cada passo em frente significa também renunciar a uma parte de si, ainda que isso comporte obviamente muitos sofrimentos.

23
Jun09

a coragem de mudar de willy pasini e donata francescatoXV

AnnaTree

Coisas lidas
SERA POSSIVEL SAIR DAS PRISOES INTERIORES?
(...)
Os casos mais fáceis de enfrentar são aqueles em que a pessoa esta consciente da sua prisão interior. Sente-se mal, mas não o suficiente para conseguir imprimir uma verdadeira viragem. Trata-se de indivíduos que desejam de facto mudar, mas não são capazes disso, pelo que estão prontos a pedir ajuda a um especialista, depois de terem procurado em vão, a solução juntamente com o companheiro ou apoiando-se numa amizade.
(...)
O aspecto verdadeiramente dramático de um certo tipo de educação esta precisamente na convicção de não poder agir nem viver de modo diferente do que lhe ensinaram. Mais que um condicionamento trata-se de uma verdadeira lavagem ao cérebro.

19
Jun09

a coragem de mudar de willy pasini e donata francescatoIvX

AnnaTree

RIGIDOS, OBESSIVOS, DOENTES DE «CONTROLO»
(...) ao passo que as personalidades dependentes permanecem crianças ou, pelo menos, infantis, as personalidades obsessivas sofrem do problema oposto, ou seja, tornaram-se prematuramente adultas. Estudantes exemplares, brilhantes recém-licenciados, empresários muito novos: com frequência já velhos aos vinte e cinco anos e, sem dúvida, mais conformistas que criativos, não sabem transmitir ao motor da sua existência a energia cinética necessária para conseguir mudar. Alguns deles entram em crise no plano psicossomático ou sexual, precisamente porque este excesso de controle intelectual acaba por penalizar o corpo e, portanto, o eros.
(...)
Beniamina é, pelo contrário, uma mulher muito «física»; é originária do sul da Itália, e para ela o sexo é muito importante. Há um ano que passou ao auto erotismo, mas receia que, a longo prazo, deixe de desejar o marido.
(...)
Neste casal há pouca ternura, poucas brigas, pouca autonomia e pouco erotismo. Um exame grafológico confirma que Ugo tem uma escrita analítica, com características d tipo obsessivo. É como se tivesse colocado toda a força vital na «tampa» que fecha o livre fluir das suas emoções, e não restasse mais energia para alimentar o desejo. É difícil de dizer qual seja a sua margem de mudança, mas o futuro deste casal é incerto. Francesca tem medo de ficar sozinha, mas também esta consciente que a situação actual é inaceitável; e tem vontade de viver, não de ficar encerrada numa relação sem saúde. Sugerimos-lhe que tentasse entrar na sedução, que procurasse «surpreender» Ugo e «inquieta-lo»; mas também que olhasse á sua volta, que estivesse o mais possível disponível para eventuais novos encontros, para depois poder decidir em consciência.

Podemos, portanto, concluir que no caso de Ugo, tal como no de Amaedeo, o comportamento obsessivo torna estes homens dignos de confiança e profissionalmente competentes; todavia, esta mesma característica faz deles companheiros aborrecidos, porque não conhecem nem estão interessados no erotismo feminino.

17
Jun09

a coragem de mudar de willy pasini e donata francescato XIII

AnnaTree

Coisas lidas
APAIXONADOS POR SI PROPRIOS
NARCISISTAS AGRESSIVOS
(...)
Pode-se afirmar que a evolução da vitória é o exemplo típico de uma psicoterapia conseguida, isto é, não se limita á eliminação dos sintomas, mas dá ao indivíduo uma maior liberdade interior.

NARCISISTAS E PERDEDORES
(...)
O narcisismo traduz-se em comportamentos agressivos (ainda que apenas de fachada) neste caso é débil e parece ter-se fixado naqueles poucos centímetros quadrados do corpo masculino que o distinguem do feminino. Homens assim têm uma identidade viril frágil, duvidam das suas capacidades e manifestam aquilo a que Freud chamou – com uma intuição genial «uma má solução do complexo de Édipo». Ainda que muitas vezes a questão crucial seja representada não tanto pela relação edipiana com a mãe, mas pela competição não resolvida com a figura paterna. O pai exerce apenas uma função «castradora» e sancionadora, sem tornar-se nunca um guia no caminho para a futura identidade viril do filho
Quando o problema inicial parece ser de tipo sexual mas se revela depois uma dificuldade que envolve toda a pessoa? O primeiro passo consiste em explicar a Antonello que é inútil controlar alguns centímetros quadrados do corpo, se todo o resto vive, de modo explosivo e anárquico, toda e qualquer tensão emotiva. Com efeito ele não sabe o que são horários e vive o tempo social (crono) como um obstáculo que se opõe ao seu tempo afectivo e criativo (kairos) enquanto se espera dar inicio á psicoterapia, prescrevemos portanto, uma abordagem física, dado que ai se concentram todas as dificuldades. As técnicas de exercício físico e de relaxamento deverão permitir-lhe conter a ansiedade explosiva que o habita, e que tem prejudicado também a sua vida sexual.

 

 

Pág. 1/2