Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

16
Dez09

O Titanic a afundar e a orquestra a tocar por Ricardo reis rr.ionline@gmail.com

AnnaTree

Coisas Lidas

 

De acordo com as notícias desta semana, o governo está empenhado na actualização do regime jurídico do casamento (...) os deputados estão empenhados em insultarem-se uns aos outros.
Se me permitem, e se não os distraio demasiado destes afazeres, gostava de recordar aos nossos governantes uns pequenos detalhes. 548 Mil portugueses estão desempregados. Cerca de 1,850 milhões de portugueses recebem pensão de velhice, 300 mil recebem pensão de invalidez, e 380 mil recebem o rendimento social de inserção. Para apoiar estes 3,078 milhões de portugueses, trabalham somente 5,020 milhões de portugueses. Por sua vez a remuneração mensal média de um trabalhador, depois de impostos, está algures entre os 720 e os 820 euros. Na população activa, por cada pessoa com um curso superior, existem duas pessoas que têm menos que a quarta classe.
Talvez estes detalhes da vida das pessoas não sejam demasiado importantes para quem tem o olho na Europa. Mas, em Outubro, Portugal só exportou 2856 milhões de euros em bens; importou 4502 milhões. A riqueza que produzimos num ano não chega para pagar o que devemos aos estrangeiros. De bons alunos vaidosos nas cimeiras internacionais, seria bom que os nossos líderes se preparassem para o novo papel de convidado que foge para a casa de banho quando se aproxima um credor.
(...) o reino unido e a Irlanda responderam com medidas dolorosas, que, que na Irlanda incluem cortes nos salários dos funcionários públicos ate 20%. A Grécia e a Itália, tal como Portugal, prefere assobiar para o lado. Os especuladores já começaram a atacar a divida grega e fala-se do risco eminente de bancarrota dos pais. Se a Grécia cair, Portugal não dura mais que umas semanas.
(...) depois de olhar para estes factos, como é que quem jurou servir Portugal pode passar o tempo a distinguir uniões de facto e casamentos, ou obcecado em saber se José Sócrates trata o amigo por «nando» ou «varinha»?


14
Dez09

presentes ou prendas eis a questao por Inês Teotónio Pereira jornal i

AnnaTree

Coisas Lidas
Ouvi isto numa fila do toys r us «pai a avo disse que se nós tivermos mais brinquedos temos de comprar uma casa maior para eles caberem lá todos ou então temos de ir viver para o telhado » O pai olhou para a filha de quatro anos, que estava visivelmente preocupada com a perspectiva de mais tarde ou mais cedo ter que ir viver para o telhado, e esperou dez segundos, pressionado pela expectativa de toda uma fila de clientes do toys r us, ate tomar uma decisão. Ao fim de dez segundos sorriu para a fila e foi arrumar os dois brinquedos. Depois saiu.
Serviu esta preocupação da menina que tinha medo de ir viver para o telhado para me por a pensar – já que não tive lata de sair dali e concluir: as crianças não querem mais brinquedos, mais tralha. Fartaram-se. Cada vez gastam menos tempo a brincar com coisas novas um brinquedo novo nas mãos de uma criança desvaloriza mais que um carro ao fim de 30 anos. Quem gosta de comprar brinquedos são os pais. Os filhos gostam de brincar. E não há grande diferença entre os mais ou menos afortunados: há preços para todos os bolsos e tudo a todos os preços. Sendo assim, como resolver os problemas dos presentes de natal? O que dar as crianças, se elas já tem tudo ou se é impossível terem tudo o que querem? Uma vez perguntei aos meus filhos o que é que ele queria receber nos anos: uma surpresa «claro: é a diferença entre um presente e um brinquedo

 

10
Dez09

Pássaros de seda Rosa Lobato Faria IX

AnnaTree

Coisas Lidas
Ao quarto dia ele disse, Agora vamos ver se ainda há mundo lá fora, se rebentou uma guerra, se deitaram a bomba nuclear, se fomos invadidos pelos marcianos, se está sol.
(...)
Acho que nós dois temos sido felizes, Teca, disse eu cobardemente.
Temos sim. Eu e o bocado de ti que as vezes me dá um pouco de atenção. Eu e o que sobra no caixote de lixo da Diamantina.
(...)
Ia longe o dia em que ela me desafiara a escrever as recordações da minha vida, ainda antes da morte de Simão, naquele verão de 92 em que pairávamos numa doce beatitude ao abrigo de todos os temporais.
Tu escreves a tua vida e eu escrevo a minha e depois comparamos... vai ser divertido e aqui, Diamantina, deixa.me ser melodramático para dizer-te que obviamente eu escrevi a historia da tua vida porque, que novidade, a minha vida és tu.

08
Dez09

passaros de seda rosa lobato faria

AnnaTree

coisas lidas

 

No segundo dia, depois de terem comido no quarto, as três da tarde, qualquer coisa parecida com um pequeno-almoço, ele disse-lhe. Agora quero – te de olhos abertos. Quero que me vejas sempre, como eu te vou ver a ti. Quero que te passes para o outro lado sem ser preciso fechares os olhos. Sou o teu homem, amo-te, vamos enfrentar este amor náufrago, esta cama a desfeita, este fio da navalha, este arrepio.
E foi ainda melhor, entrou no âmbito da loucura e do abismo e já era paixão.
Ao terceiro dia decidiram descer para jantar. Não falharam nenhum dos jogos que o banho permite, tinham prazer em exibir-se um para o outro, pela primeira vez Diamantina assumia a beleza plena do seu corpo com um orgulho de fêmea, vestiram-se, perfumaram-se, jantaram, os sentidos alerta para todos os aromas e para todos os sabores.
Durante o jantar ele disse, agora quando voltarmos para a cama, vamos usar as palavras. Vou dizer-te tudo o que me vier á cabeça e tu fazes o mesmo. Tudo, não importa o quê. Palavras, não importa quais.
A saborear lentamente a sobremesa, tonta do requinte da coibida e da excelência do vinho, deu consigo a desejar palavras.

06
Dez09

passaros seda

AnnaTree

coisas lidas

Foram para o hotel palácio, a Diamantina, como se estivesse hipnotizada não nos disse nem uma palavra, ele foi espera-la para o carro, que era o do Sebastião, ela entrou em casa, saiu com um pequeno saco, a carteira, os cabelos soltos e desapareceram durante dias.
Muito mais tarde, num dia de lágrimas, soube que o Chico a levou directamente para a cama, a conduziu ao êxtase só de tocar-lhe no corpo nu, que os seus beijos eram como um filtro de ervas embruxadas que a fizeram passar para outra dimensão. Uma dimensão onde perdeu a noção do tempo e do espaço, onde se diluiu qualquer reminiscência de lógica ou ética, onde a leoa dentro dela ocupou toda a cama e atacou, lutou de igual para igual e se deixou vencer.
De madrugada dormiram um pouco e voltaram a amar-se como dementes, ele ensinou-lhe tudo o que podem as mãos, o que pode a boca, o que pode cada centímetro do corpo. Descobriu-se e descobriu-o, a beleza dele fazia-a chorar de prazer. E silenciosamente, de olhos fechados, deixava que as sensações perturbadoras a possuíssem e lhe corrompessem o imaginário.