Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

11
Out10

ENTREVISTA A RITA Ferro IN DNA(EXERTOS)

AnnaTree

Coisas Lidas

 

-o que significou esta vinda para o campo?

 

RF – EVASÃO. ESTAVA A ENDOIDECER NA CIDADE, JÁ NÃO SEPARAVA O DETALHE DO TODO. ESTAVA TÃO CANSADA E ANGUSTIADA QUE QUANDO TOCAVA O TELEFONE, DIZIA: «TÁ LÁ» SEM ATENDER. FOI O PRIMEIRO SINAL DE QUE ESTAVA PERTURBADA (…) MAS FOI REALMENTE FUGA. ESTAVA TÃO FRAGILIZADA QUE SENTIA TODAS AS HUMILHAÇÕES. QUANDO SE ESTÁ EM LISBOA, AS PESSOAS AGUENTAM O QUE TEM DE AGUENTAR, NÃO SE APERCEBEM.QUANDO VEM PARA CÁ, PASSA A SER ABSOLUTAMENTE IREVERSIVEL VOLTAR PARA A CIDADE.

 

- O que significa humilhação?

 

R F – A PESSOA ESQUECER-SE DE METER A PRIMEIRA NUM SINAL VERDE E TER LOGO DEZ BUZINAS EM CIMA, A NEGLIGENCIA DOS ENCONTROS HUMANOS, TODAS ESSAS COISAS JÁ ESTAFADAS.

 

-é assim que entende esta entrevista?

 

R F – A IMAGEM QUE PASSO, SEJA FISICAMENTE SEJA VERBALMENTE, DECEPCIONA-ME MUITO. ABRIUR A ALMA A ALGUEM QUE NÃO SE CONHECE É DIFICIL. TENHO A ESPERANÇA DE CONSEGUIR EXPLICAR ATRAVEZ DUMA ENTREVISTA UM BOCADINHO DO QUE SOU PARA ALÉM, DO QUE PAREÇO.

 

-o primeiro passo para aceder á essência de si será desmistificar ideias feitas, anular preconceitos.

 

R F – GOSTAVA DE ME EXPLICAR, DE FALAR COM OS MEUS LEITORES COMO FAÇO COM UMA AMIGA. É UMA CERTA ASPIRACAO ROMANTICA DE QUERER SER AMADA. AS PESSOAS CLASSIFICARAM-ME MUITO RAPIDAMENTE. E CONSTATO, MELANCOLICAMENTE, QUE NÃO ME CONHECEM. ESCONDO-ME, UMAS VEZES ATRAVEZ DA EXUBERANCIA, OUTRAS ATRAVES DO LACONISMO.

 

-no pacote de entrevistas que li, dizia que os livros têm uma componente autobiográfica forte, mas cifrada.

 

R F – HÁ DUAS COISAS EM QUE ESTOU CENTRADA: SER UMA PESSOA EQUILIBRADA E SER UMA PESSOA

NATURAL! ESTA EXPOSIÇÃO A QUE ME SUJEITO, ESTE SUCESSO QUE AS PESSOAS INVEJAM E QUE PODE SER MUITO ESQUIZOFRENANTE, TEM-ME RETIRADO MUITA DESSA NATURALIDADE. ROUBOU-ME A ESPONTANEIDADE. QUANDO SE TEM MEDO, OFERECE-SE UMA COISA DIFERENTE DO QUE SE É

 

-de que é que tem medo?

 

RF- TENHO FAMA DE SNOB, E SOU SNOB NALGUMAS COISAS, MAS SE CALHAR NÃO SOU O QUE PENSAM. TENHO FAMA DE SER UMA SENHORA DO JET-SET; NUNCA FUI, NEM NUNCA SEREI.APANHAM-ME NAS REVISTAS NO FOYER DO D.MARIA, EM LANÇAMENTOS DE LIVROS, NÃO ME APANHAM EM FESTAS E FAZ-ME CONFUSÃO QUE ACHEM UMA BETA!

 

-é a tontaria ligada às betas que a incomoda»?

 

RF- LIGO OS BETOS AOS MAÇADORES OBECECADOS EM VENDER UMA IMAGEM DE VALORES CERTINHOS. A MINHA VIDA É A NEGAÇÃO DISSO, É UMA TRANSGRECAO EM RELAÇÃO AO MEU MEIO. VOU SEMPRE EMBORA DOS SITIOS ONDE ESTOU, TENHO UMA NECESSIDADE ABSOLUTA DE MUDAR OS CENARIOS, AS PESSOAS. É O RISCO DE VIVER COMIGO…FAZ-ME IMPRESSÃO QUE NÃO PERCEBAM O QUE SOU NAQUILO QUE LHES PAREÇO.

 

- A sua mãe é uma ausência no seu discurso. É interessante que, sendo a mulher o seu tema recorrente, a sua mãe seja obnubilada neste processo.

 

RF – PENSEI QUE A MINHA MAE ESTAVA DENTRO DOS MEUS LIVROS.É O MEU EXEMPLO DE FORÇA, MAIS ATE QUE A MINHA AVO, QUE ERA INQUEBRANTAVEL! ESTOU FISICAMENTE TÃO PROXIMA DELA QUE TALVEZ NOS CONFUNDAMOS. NÃO HÁ A DESCRIÇÃO DA MINHA MAE NOS LIVROS, PORQUE TALVEZ ELA ESTEJA NA NARRADORA.É TAO PARECIDA COMIGO EM ALGUNS ASPECTOS, E NOUTROS É O POSTO.

 

- Que outras coisas tinha a sua avo Maria?

 

RF – ESTA DUALIDADE, MUITO CANSATIVA, DE SER BONITA E MEDONHA, SER ESPANPANANTE E GEBA, SER INTELIGENTE E BURRA, SER SOLAR E SOMBRIA, E NUNCA SABER A PERSONALIDADE QUE VAI SAIR DE SERVIÇO.

 

 - Como se fosse a massa moldável que reage desta ou daquela maneira em função do que encontra?

 

RF – UMA DAS COISAS QUE DESCOBRI NO MEU VASTO CURRICULO AMOROSO, FOI QUE ERA PRECISO DAR MUITA ATENÇÃO Á ESCOLHA DO OUTRO. NO OUTRO DIA UM PADRE DIZIA NA TELEVISÃO QUE AS MULHERES LEVAM DIAS A ESCOLHER UNS SAPATOS, MESES A ESCOLHER UM VESTIDO, E O HOMEM, AQUELE QUE VAI SER O COMPANHEIRO E PAI DOS FILHOS, ESCOLHEM-NO EM TRES MESES!

 

- O outro é uma circunstância do nosso amor por ele. O amor que temos pelo outro centra-se muito mais em nós que no outro.

como é que se construiu assim?

 

RF – NÃO FAÇO IDEIA.PENSO NA RELIGIAO. PASSO A VIDA A PEDIR DESCULPA. TENHO SEMPRE MEDO DE ESTAR A MAGOAR. PORQUE SOU COLERICA, PORQUE TENHO MUITO BOA PONTARIA E ACERTO ENTRE OS OLHOS. TENHO PAVOR DE TER FEITO MAL AOS MEUS FILHOS….

 

-amar excessivamente e dessa forma asfixiar?

 

RF – NÃO, NÃO É POR AMAR.É EXTACMENTE POR AINDA NÃO SABER AMAR. AINDA NÃO SEI AMAR BEM.AMO DESTEMPERADAMENTE.AMO.COBRO.MATO. O AMOR, QUANDO É VERDADEIRO, NÃO FERE, NÃO MATA, NÃO AGRIDE, NÃO É?

 

-entre ser melhor pessoa e melhor escritora, parece inequívoco que o seu projecto é ser melhor pessoa

 

R F – PARECE-ME INEQUIVOCO QUE É ISSO QUE QUERO. MAS SE ME PERGUNTAR SE SOU MELHOR PESSOA AGORA, DIGO-LHE QUE NÃO SEI MAIS, MAS ISSO NÃO FEZ DE MIM YUMA MELHOR PESSOA.

 

-o que significa, então, crescer e ser uma melhor pessoa?

 

R F – ISSO QUE ACABAMOS DE DIZER: CHEGAR A UM PONTO EM QUE SE RESOLVEM AS COISAS SEM FERIR CHEGAR A UM PONTO EM QUE NÃO TEMOS QUE NOS ESCONDER.

FUI EDUCADA COM O EXEMPLO DOS MEUS PAIS. UM EXEMPLO ESTETICO QUE NÃO ERA FORMULADO OU ESMIUÇADO.TUDO AQUILO QUE PENSAVA QUE OS MEUS PAIS NÃO FAZIAM E EU FAZIA, CAUSAVA-ME MAU ESTAR.TINHA MUITO A NOÇÃO DE PECADO DE QUE FALA O ALÇADA BAPTISTA.

DESCONTROLO-ME IMENSO NO SENTIMENTO, SOU UMA APIXONADA PELAS PESSOAS, MAS NUNCA CEGUEI DE PAIXÃO. A MINHA DEFENIÇÃO DE PAIXÃO É: «EXPECTATIVA INFLACIONADA DE ALTO VALOR ENERGETICO!» PARECE LITERATURA INCLUSA NUM REMÉDIO, NÃO É? MAS NÃO CEGO EM RELAÇÃO AOS DEFEITOS E MENORIDADES QUE AS PESSOAS TÊM. DEPOIS SUCEDE QUE SOU CATOLICA, SEM VERGONHA DE O ASSUMIR.8NAO SOU PRATICANTE, ENTREI EM AUTO GESTAO HÁ MUITOS ANOS QUANDO ME DISSERAM «NÃO PODES COMUNGAR»

 

-a liberdade sem a ternura de um homem não vale um caracol» a frase é sua.

 

RF – JÁ VIVI O SUFICIENTE PARA SABER QUE UMA MULHER MENOS BONITA TEM DE SE ESFORÇAR MAIS. AGRADEÇO BASTANTE NÃO SER BONITA, NÃO ME TER SIDO FACILITADO O TRABALHO. DOU AVANÇO A CINQUENTA MULHERES BONITAS; ELAS PODEM INTERESSAR FULMINANTEMENTE UM HOMEM, MAS TALVEZ SEJAM MAIS DESCARTAVEIS QUYE EU. E HÁ AQUELA CANÇÃO DO VINICIUS, DA IMPERFEIÇÃO QUE ACENDE O DESEJO; SOU MUITO ASSIM.

 

-outras das coisas que fala na carta ao seu pai são a procura do amor e do equilíbrio.

 

R F – A PROCURA DO EQUILIBRIO DA NATURALIDADE. NATURALIDADE REPRESENTA SER IGUAL A SI PROPRIO ESTANDO COM UM CAVADOR DE ENXADA OU COM O PAPA (…) SOU DAQUELAS PESSOAS INSEGURAS, ORGULHOSAMENTE INSEGURAS, SOBRE AS QUAIS OS OUTROS TEM UMA PODEROSA INFLUENCIA

08
Out10

conto virgemVIII de fatima marinho DNA

AnnaTree

Coisas Escritas

(…)

Com o dedo sobre os lábios, o Padre pediu silêncio. Procurou o sacristão entre os homens.

- Amanhã bem cedo, antes da hora das mulheres virem á igreja, quero estas rosas daqui para fora.

(…)

Eu compreendo o vosso apego á Virgem. Mas não quero perder as vossas mulheres da minha igreja, nem tão pouco complicar ainda mais a vida dos casais. Agora, antes de nos irmos em paz, ajoelhai-vos e rezai comigo.

As vozes dos homens juntaram-se á do Padre, em perfeito uníssono. Já nada os separava.

Ave-maria, cheia de graça, o senhor é convosco

Bendita sois vos entre as mulheres, bendito é o fruto do vosso ventre…

Estava escuro na igreja. A noite tinha lá entrado, apagando as cores e os brilhos de João, de nossa Sra. da Conceição, sto antonio com o menino. O manto negro ao esconder a doçura das suas expressões, desfigurava-lhes o rosto dando aquela imobilidade facial um ar fantasmagórico. Só a Virgem Maria parecia iluminada, embora nenhuma vela ou candeeiro estivesse aceso. O mármore, de branco opaco passava a laranja transparente, por vezes raiado de vermelho, como se um fogo ardesse no interior da pedra.

O Padre não via a vida a irromper daquela matéria morta. Embora estivesse ajoelhado em frente ao altar, tinha a cabeça tão baixa que quase tocava o chão. Enleado nos seus pensamentos, sem nenhum fio a liga-lo ao tempo contado pelos relógios nem dera pelo passar de duas ou três horas, desde que os homens tinham saído. Tinha sido necessário meditar. Descer as profundezas de si mesmo e enfrentar-se com o homem que nele tinha atirado lá para baixo. Esmurraram-se, deram pontapés um ao outro, morderam-se, atacavam-se pelas costas ate ficarem exaustos. Só, então, na sinceridade, que a falta de forças impõe, chegaram a acordo. Nenhum ganhara, nenhum perdera. Mereciam os dois vê-la. O homem nunca tinha amado nenhuma mulher. O Padre amara a Virgem Maria toda a sua vida.

Até ali, no diálogo homem-Padre foi sempre o Padre que falou mais alto. O homem encolhia-se a um canto, envergonhado da sua natureza. Hoje, ao ouvir os outros homens falarem dela, os ciúmes do Padre tocaram como campainhas, acordando o homem. E foi o homem quem espicaçou o Padre para ir a casa e pedir á criada que lhe comprasse uma rosa vermelha. Agora, ajoelhado perante o Padre, o homem não se decidia. Mas eis que levanta a cabeça, erguer-se lá do fundo de si mesmo e estende a rosa á Virgem Maria

- Tende piedade de mim….só hoje.

Foi então que a viu. O Padre não acreditou no que via mas o homem insistiu em abrir os olhos. A Virgem sorria, ria, dançava, com os pés pequeninos a brincar com a nuvem.

Nessa noite só o Padre e os anjos ouviram os risinhos da rapariga. Era Maio, mês das flores.

Fátima Marinho DNA

 

06
Out10

conto virgemVII

AnnaTree

Coisas Escritas

(…)

O Padre ia de uma ponta da meia-lua á outra ponta.

Admirava aqueles homens pelo passo que tinham dado em frente mas estava preocupado que a diocese pensasse que era um passo para trás da própria igreja. Estava balançado neste vai e vem de pensamentos quando lhe passou pelos olhos a figura do sacristão, que trocava a sua posição de sempre, ao lado do Padre, por um nocivo posto, para uma nova missão, ao lado dos homens.

- Não me digam que o nosso sacristão também tem aparições a contar…

Os homens riram. O sacristão estava mais sisudo do que nunca. Os homens pararam de rir. Os setenta anos do sacristão, feitos de muitos cabelos brancos, pacificavam nervosismos, todo o género de nervosismos, tanto dos que dão para o riso como os que dão para o juízo. Falou sempre de olhos no chão, para afrontar o menos possível o seu amigo de infância, hoje a fazer-se inimigo.

- Eu também a vejo, senhor Padre. Um dia estava aqui sozinho, a arrumar o altar e comecei a pensar alto no problema da minha mulher com o vinho. Na noite anterior ela tinha apanhado uma bebedeira tão grande que partiu a louça toda que havia em casa. A minha vida era uma tristeza e eu andava com vontade de desfazer a família. Então, pedi-lhe um milagre. Ela ouviu-me, senhor Padre! Apareceu-me cheia de alegria. Está sempre a rir e a rodopiar com uma felicidade de menina.

(…)

- Querem pôr-me louco. É isso, não é? Mas loucos estais vós! Isto é uma alucinação colectiva.

- Senhor Padre, acalme-se! Ouça-me agora a mim. Eu. Eu não tenho problema nenhum com a minha mulher. Admiro-a e guardo-lhe grande respeito. Trabalha que se farta para dar aos filhos o que dantes dava eu…

- Então porque não lhe dás rosas vermelhas a ela?

- Como o senhor disse vermelho é paixão. É fogo. E esse já se apagou há anos. Esta é a realidade, mas cada homem também tem direito ao sonho. E a Virgem Maria é só um sonho. Se você a visse de cabelo ao vento, a dançar devagarinho em cima da nuvem … os pés tão pequeninos …

(…)

Sem se aperceber, o homem-deus apanhava boleia dos homens – homens para as nuvens. Vá sem medos senhor Padre. A mente é para nos ajudar a subir. Por essa razão é que deus a colocou nos píncaros do nosso corpo e não rente ao chão.

(…)

-sabe quantos homens estão aqui? Cem! E quantas rosas vermelhas estão no altar da Virgem? Já as contou, eu sei: são cem. Cem! Uma rosa por cada homem. Cada um ofereceu uma, cada qual com a sua razão e com a sua loucura.

O Padre ergueu o rosto para o velho amigo. De cinzentos amargurados, os olhos adoçaram-se em, azul.

- Foste tu, não foste?

Olhos nos olhos finalmente!

- Fui, os homens vieram ter comigo e explicaram-se. Queriam agradecer á Virgem aqueles momentos de sonho que tanto ajudavam a aceitar a realidade. Eu compreendi porque também a mim ela fez bem. E que outra cor escolher senão o vermelho, para uma Virgem que nos mostra o seu amor tirando o véu que a cobre?

(…)

-senhor Padre, talvez seja alucinação colectiva, como disse á pouco. Ou talvez não. Mas o que é certo é que a Virgem Maria está a fazer um milagre na vida destes homens. E na minha.

(…)

Eu sei que a vida dos homens desta terra não é fácil, bem sei disso, concordou o Padre.

Antes que tivesse tempo de discordar com o que quer que fosse, um homem pequenino e magrito, com o ar mais miserável de todos os que ali se reuniam, falou em linguagem nervosa, na vertigem do choro.

- Se a Virgem, em vez de nos encantar, viesse pedir-nos ainda mais sacrifícios… eu cá por mim não aguentava.

01
Out10

conto virgemVI

AnnaTree

Coisas Escritas

(…)

As velhotas estavam  mudas de espanto. As bocas abertas não se mexiam. Apenas os olhos iam e vinham, do Padre para o Zé Maria, do céu para o inferno o Padre viu-as perdidas neste purgatório e quis poupa-las

- As duas senhoras, mais o menino, façam o favor de sair porque isto é só uma conversa entre homens…e um Padre.

(…)

Os homens sentiram-se mais á vontade. Xavier Medina, que não gostava de ficar calado quando os assuntos lhe tocavam as cordinhas da consciência, logo se adiantou a defender o Zé Maria

- É verdade o que diz o Zé Maria, Padre. Ela aparece-nos sem nada e fica ali no ar, a dançar. Eu sei que não devia dizer isto mas quero ser franco consigo e com todos os que me ouvem. Eu, Xavier Medina, bom marido e bom pai de filhos, estou apaixonado por Ela. Sim, apaixonado pela Virgem Maria! Parece ridículo, eu sei, mas por quem havia de estar? É a única mulher que vejo á luz do dia. A minha trabalha dia e noite na fábrica.

(…)

O Padre abanava a cabeça, descrente. O cansaço envelhecia-o de minuto a minuto. Sentou-se com um grande suspiro. Assim que ouviu a voz do presidente, levou as mãos a cabeça e nelas apoiou a confusão dos seus pensamentos

O Presidente cofiava o bigode enquanto falava. Era um tique que o ajudava a controlar o sotaque que a mãe lhe trouxe de Espanha.

-pois é senhor Padre, também eu. Não é novidade para ninguém que a minha mulher está de cama faz anos. E que gusto pode tener pela vida um homem assim? Ninguno. Um dia ajoelhei –me e confessei á Virgem que via a minha vida muito negra… e no dia seguinte ela apareceu-me cheia de luz. Tem uma pele muito branca, os cabelos pelas costas e dança, dança….

O Padre começou a rir. Os nervos saiam-lhe em gargalhadas quase dementes. O rapaz que tinha entrado com o Zé Maria contra atacou as gargalhadas do Padre.

- Senhor Padre, veja as coisas por outro lado. Se a Virgem não nos oferecesse estes momentos de encanto, íamos todos, talvez á excepção do Sr. Presidente, pagar afectos as mulheres da vida.

Pág. 2/2

Rádio Tree

Música Brasileira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D