Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

29.04.14

Jovem e Bela (Jeune & Jolie)


AnnaTree


À quoi ça sert ?

Comme toi j'ai un coeur
Qui ne peut rien promettre
À qui l'amour fait peur
Mais qui t'aime peut-être
À quoi çà sert de le cacher?
À quoi çà sert d'y échapper?

Je n'ai rien à t'offrir
Que ce que mes yeux voient
Tu ne veux pas souffrir
Mais qui ne souffre pas?
À quoi çà sert de l'éviter?
À quoi çà sert de t'en aller?

À rester dans ta tour d'ivoire
En broyant du rose ou du noir
Tout seul - tout seul
Comme on n'est pas très malheureux
On oublie qu'on n'est pas heureux
Tout seul - tout seul

Je n'ai que les étoiles
Et rien d'autre pour toi
Si l'on doit se faire mal
C'est la vie qui veut çà
À quoi çà sert, de rester seul?
À quoi çà sert, de vivre seul?

Je n'ai que les étoiles
Et rien d'autre pour toi
Si l'on doit se faire mal
C'est la vie qui veut çà
À quoi ça sert, de rester seul?
À quoi ça sert, de vivre seul?
Tout seul.

À quoi ça sert ? (Tradução)

Como você, tenho um coração
Que não pode prometer nada.
A quem o amor assusta
Mas que talvez te ame?
De que serve escondê-lo?
De que serve escapar dele?

Eu não tenho nada a te oferecer
Além do que meus olhos vêem
Você não quer sofrer
Mas quem não sofre?
De que serve evitá-lo?
De que serve você ir?

Ficando em sua torre de marfim
Transitando entre o rosa e o preto
Sozinho - Sozinho
Como não estamos muito infelizes
Esquece-se que um não está feliz
Sozinho - Sozinho

Não tenho mais que as estrelas
E mais nada para você
Se fazemos mal um ao outro
Foi a vida que quis assim
De que serve ficar sozinho?
De que serve viver sozinho?
Sozinho.

24.04.14

JOÃO DE LEMOS (1819-1890) - NÃO TE ENTENDO CORAÇÃO


AnnaTree

COISAS DECLAMADAS

 

Mas se não amo, nem posso,
Que pode então isto ser?
Coração, se já morreste,
Porque te sinto bater?
Ai, desconfio que vives
Sem tu nem eu o saber.

Porque a olho quando a vejo?
Porque a vejo sem a olhar?
Porque longe dos meus olhos
Me andam os seus a lembrar?
Porque levo tantas horas
Nela somente a pensar?

Porque tímido lhe falo,
E dantes não era assim?
Porque mal a voz lhe escuto
Não sei o que sinto em mim?
Porque nunca um não me acode
Em tudo o que ela diz sim?

Porque estremeço contente
Quando ela me estende a mão,
E se aos outros faz o mesmo
Porque é que não gosto então?
Deveras que não me entendo
Nem te entendo, coração.

Ou me enganas, ou te engano;
Se isto amor não pode ser,
Não atino, não conheço
Que outro nome possa ter;
Ai, coração, que vivemos
Sem tu nem eu saber.

21.04.14

Adolfo Casais Monteiro In 366 poemas que falam de amor uma antologia organizada por Vasco Graça Moura


AnnaTree

COISAS DECLAMADAS

 

Aquela noite de beijos e carícias indecisas...
Amaste-me talvez nesses momentos - só nesses momentos...
Aquele recanto de aldeia esquecido no meio da cidade,
a noite perfeita,
a paz imensa daquela hora breve
- essa indizível magia de certas noites imensas...
Sim, amaste-me talvez nesses breves momentos
Em que fomos apenas a Mulher e o Homem
- tu, liberta da tortura de analisar sem fim
os teus sentimentos por este e por aquele;
eu, capaz por uma vez de não pensar os meus gestos
e tendo apenas a voz do mais obscuro instinto.
A natureza em volta aniquilava as nossas biografias,
e não havia senão a extática presença da terra e dos astros,
e perdidos nela, nós, tão pobres, tão abandonados,
purificados de toda a nossa miséria,
tão Eva e Adão antes da maçã comida,
nós, vivos em nossa carne bem humana,
tecendo nas linhas embriagadas das nossas carícias
o véu que nos escondia a memória dos outros.
Que importam as palavras que dissemos,
as juras que fizemos!
Que nesse momento, em cada um de nós,
as palavras do outro eram já sabidas antes de ser ditas,
e o tumulto dos nossos corpos,
e o tumulto das nossas almas,
e a maré viva da nossa perfeita comunhão,
e o espraiar-se da nossa ternura sobre o mundo,
eram a única Palavra que valia!



15.04.14

Carvoeiro Miguel Torga


AnnaTree

COISAS DECLAMADAS

 

Carvoeiro Miguel Torga

 

Chego ao fim da vida sem saber ler correctamente á primeira vista o mais simples trecho do livro da natureza. Abre-se um panorama diante de mim e o que consigo imediatamente é soletra-lo.

 

 

11.04.14

Brisa de Ana Briz


AnnaTree

COISAS DECLAMADAS

Brisa de Ana Briz

Que importa afinal

Se és para mim, meu bem e meu mal?

Caminhar sozinha eu não consigo

Oh! Brisa, deixa-me ir contigo

És a vida, és tudo,

Que faz pulsar ainda meu coração mudo

Pág. 1/2