Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

26
Mai15

ENTREVISTA A PACHECO PEREIRA POR LUIS ROSA IN JORNAL I 2015

AnnaTree

COISAS LIDAS

381599.jpg

LUIS ROSA Lr : Aos portugueses foi vendida a ideia de que o euro permitiria chegar mais depressa ao poder de compra dos alemães PACHECO PEREIRA PP:O euro resultou ao contrário e agravou as desigualdades económicas da EU. A gestão política do euro deixou de ser colectiva e é uma projecção das ideias e preocupações e das posições dos alemães. (…) Quem quer salvar a Europa tem de voltar a uma politica muito prudente, uma politica que não dê um passo nenhum sem garantir uma coisa: que as nações europeias são virtualmente iguais. Jean Monet, Schumann e De Gasperi perceberam desde o início que o Luxemburgo não é igual á Alemanha, o Luxemburgo sabe que não é igual á Alemanha, a Alemanha não é igual ao Luxemburgo, mas virtualmente eles tinham o mesmo poder na EU e isso é um factor de equilíbrio que permite a construção europeia. (…) É fundamental reconstruir-se a classe média- essa é a grande mudança que tem de ser feita. A reconstrução da classe média pode não ser feita como no passado mas tem de ser feita garantindo que actue como elevador social. Porque o que se fez nos últimos anos foi garantir assistência a pobreza mas ao mesmo tempo obrigando-a a permanecer pobre.

05
Mai15

OS I N TI MOS DE i p

AnnaTree

COISAS LIDAS (…) A infância tornou-se duradoura. Substitui-se aos casamentos, que vêm com um arsenal de regras que já ninguém tem paciência para cumprir. É muito mais fácil sermos responsáveis pela qualidade da água e do ar e do solo e não sei mais o quê do que por um juramento de fidelidade. Criámos a era das responsabilidades impossíveis. Da bondade abstracta. As abstracções provocam-me um tédio avassalador. (…) Os tumores têm essa característica: são simples. Benignos ou malignos. Matamo-los ou matam-nos. Quanto mais jovem é a vítima, mais veloz é a propagação das células cancerosas. Os tumores mostram-nos as vantagens do envelhecimento. São praticamente a única coisa viva que respeita a idade e desacelera por causa dela. Nos organismos velhos, as células malignas são mais lentas. Essa é uma das belezas da oncologia. (…) Difícil é manter o halo da beleza quando a cinza cobre tudo (…) O sexo gasta-se. As mulheres parecem não perceber que o sexo se gasta muito depressa. Talvez sejam mais hábeis com a imaginação. Ou com a mentira. O corpo de uma mulher adapta-se à mentira, como a tudo. O corpo do homem é verdadeiro como um hospital. Nunca mente. Por mais que ele queira não mente. Não sabe. (…) Os computadores não têm retorno e a vida virtual a que eles nos conduzem também não. Antes e depois de ser conteúdo eles são a forma, e as formas são indescritíveis. (…) Num café, certa vez, uma mulher muito mais velha do que eu pediu-me licença para se sentar à minha mesa e murmurou: « Ouça-me, por favor. Se não falar com alguém enlouqueço.» As mulheres podem enlouquecer de silêncio, isso eu sei. Não são capazes de esvaziar a cabeça sozinhas. Dispensam conselhos e abominam gestos compassivos. Só querem ser ouvidas com atenção. (…) Ouvir é dos trabalhos mais duros que existem. Por isso escolhi a oncologia, em vez de psiquiatria. Os cancerosos não dizem - Repita lá isso, doutor. (…) Vinte anos a fazer sexo com a mesma pessoa, e em estado de felicidade, é um feito em que é difícil acreditar. Mário esclarece que a sua existência não é uma orgia sexual, e que o sexo está muito sobrevalorizado. Para se formar um casal, diz ele, é preciso aceitar os altos e baixos, não cair na esparrela da paixão exaltada. (…) - Envelheceste. Enquanto ossos e dentes enfraquecem, o resto do corpo aproxima-se da pedra. Os canais do sangue. Os nervos, os músculos, as válvulas do coração e até os pulmões vão ficando com depósitos de cálcio e tornam-se duros. O envelhecimento torna-os mais rijos