Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

25
Fev16

Excerto de: Lispector, Clarice. “Aprendendo a viver.” Rocco Digital. iBooks.

AnnaTree

COISAS LIDAS

“Desculpem eu ser eu. Quero ficar só! grita a alma do tímido que só se liberta na solidão. Contraditoriamente quer o quente aconchego das pessoas.”

“EM BUSCA DO OUTRO
Não é à toa que entendo os que buscam caminho. Como busquei arduamente o meu! E como hoje busco com sofreguidão e aspereza o meu melhor modo de ser, o meu atalho, já que não ouso mais falar em caminho. Eu que tinha querido. O Caminho, com letra maiúscula, hoje me agarro ferozmente à procura de um modo de andar, de um passo certo. Mas o atalho com sombras”“refrescantes e reflexo de luz entre as árvores, o atalho onde eu seja finalmente eu, isso não encontrei. Mas sei de uma coisa: meu caminho não sou eu, é outro, é os outros. Quando eu puder sentir plenamente o outro estarei salva e pensarei: eis o meu porto de chegada.”

“O mais difícil é não fazer nada: ficar só diante do cosmos. Trabalhar é um atordoamento. Ficar sem fazer nada é a nudez final. Há uns que não aguentam. Então vão se divertir. Estou escrevendo de madrugada. Talvez porque não queira ficar só diante do mundo. Mas de algum modo estou acompanhada. Não sei explicar. É bom.”

“Um domingo de tarde sozinha em casa dobrei-me em dois para a frente – como em dores de parto – e vi que a menina em mim estava morrendo. Nunca esquecerei esse domingo. Para cicatrizar levou dias. E eis-me aqui. Dura, silenciosa e heroica. Sem menina dentro de mim.”

Falando com o nosso grupo coisas que eu não entendia e não sei repetir. Então eu disse: adoro ouvir coisas que dão a medida de minha ignorância”

“andei há um tempo fazendo dieta para perder uns quilos a mais. Aí experimentei uma vida anormal para comer. Andava exasperada como se outros estivessem comendo o que era meu.”

“Às vezes, quando vejo uma pessoa que nunca vi, e tenho algum tempo para observá-la, eu me encarno nela e assim dou um grande passo para conhecê-la. E essa intrusão numa pessoa, qualquer que seja ela, nunca termina pela sua própria autoacusação: ao nela me encarnar, compreendo-lhe os motivos e perdoo. Preciso é prestar atenção para não me encarnar numa vida perigosa e atraente, e que por isso mesmo eu não queira o retorno a mim mesma.
Um dia, no avião… ah, meu Deus – implorei – isso não, não quero ser essa missionária!
Mas era inútil. Eu sabia que, por causa de três horas de sua presença, eu por vários dias seria missionária. A magreza e a delicadeza extremamente polida de missionária já me haviam tomado.”

“No avião mesmo percebo que já comecei a andar com esse passo de santa leiga: então compreendo como a missionária é paciente, como se apaga com esse passo que mal quer tocar o chão, como se pisar mais forte viesse prejudicar os outros.

“Em terra sou uma missionária ao vento do aeroporto, seguro minhas imaginárias saias longas e cinzentas contra o despudor do vento. Entendo, entendo. Entendo-a, ah, como a entendo e ao seu pudor de existir quando está fora das horas em que cumpre sua missão.

“a pontuação é a respiração da frase”

“quando estou com uma pessoa verdadeira, fico verdadeira também”

 

“Música não ouço há bastante tempo pois estou procurando me dessensibilizar.”

“eu não humanizo os bichos, acho que é uma ofensa – há de respeitar-lhes a natura – eu é que me animalizo”

 

Excerto de: Lispector, Clarice. “Aprendendo a viver.” Rocco Digital. iBooks.

15
Fev16

WILLY PASINI A ALIMENTAÇÃO E O AMOR

AnnaTree

COISAS LIDAS

(…)

É no seio da família que adquirimos os hábitos alimentares; aí aprendemos os primeiros bons princípios e somos, inevitavelmente, confrontados com os primeiros modelos de comportamento instável (…) muitos casos de obesidade têm origem na primeira infância, mais precisamente, são consequência da impulsividade das mães que ao mais pequeno sinal de choro do bebé, muitas vezes por motivos que não têm nada a ver com a fome, recorrem ao biberão. Por outro lado, o excesso de rigidez disciplinar, aquele «não se fala á mesa» matraqueado vezes sem conta, dá azo a formas de rejeição da comida e da convivialidade

(…)

A mesa doméstica era também um espaço educativo. Ao contrário do que aconteceu com as refeições fora de casa, as tomadas em família são momentos de aprendizagem de boas maneiras.

01
Fev16

WILLY PASINI A ALIMENTAÇÃO E O AMOR

AnnaTree

COISAS LIDAS

 

WILLY PASINI A ALIMENTAÇÃO E O AMOR

(…)

Cada um de nós passa, em média, quinze anos da sua vida a comer, e senta-se à mesa umas cem mil vezes.

(…)

Para Imanuel Kant o paladar e o olfacto são, entre os cinco sentidos, os menos nobres, porque mais distantes e menos controláveis pelo intelecto. Talvez tenha alguma razão.

(….)

O pelicano arranca a própria carne para alimentar os filhos quando a comida escasseia.

(…)

A alimentação, tal como o sexo, é um instrumento de socialização e de definição de expressão de poder e de manifestação de conflito.

(…)

O leitor é um «garfo» monogâmico ou poligâmico? Se calhar prefere escolher coisas novas sem mudar de restaurante – ou, visto de outro prisma, vai alterando a ementa sem sair da vida de casa.

(…)

Se é certo que o álcool excita os instintos sexuais, também favorece a franqueza e a sinceridade. O álcool induz um fenómeno de dilatação do Eu e exarceba os sentidos: solta as línguas e usa os corpos. Consumido com moderação é benéfico, embora, quando se abusa dele, seja um verdadeiro detonador da cólera e da violência