Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

31
Jan18

Porque toleramos relações toxicas e insistimos em falar de amor

AnnaTree

Coisas ouvidas em podcast

 

Porque toleramos relações toxicas e insistimos em falar de amor
Ouvido no programa da cadena ser contigo dentro 30/01/2017

Se doí é desamor ou é inexistência de amor. O amor não dói e temos que começar a entender isso de uma vez por todas.
Falta de educação ou educação errónea. E os exemplos que nos dão os nossos modelos de referência e quando somos adultos repetimos esses modelos. Dizem que estás a educar quando não estás a tentar ensinar nada aos teus filhos. Isso de «não me separo por causa dos meus filhos» que é tantas vezes ouvido como desculpa para as relações se estendam no tempo; não serve de desculpa pois as crianças assistem a péssimos exemplos dos seus modelos de referência, quando formos grandes repetimos esses comportamentos. Não sabem depois pôr limites ou distinguir o que é negociável e o q nunca devia ser negociável numa relação.
Uma pessoa sabe sempre quando não se sente bem numa relação, porque não se encaixa no que uma pessoa quer. É certo que tentamos normalizar certas situações e acabamos a desculpabilizar comportamentos tóxicos, mas depois o nosso corpo nunca nos engano e começamos a desenvolver ansiedade a sentirmos nos mal a ter pensamentos negativos.
A forma como amamos é feita de auto estima. A auto estima forma se com as doses de reconhecimento que vieram dos nossos pais e também com as doses de afecto e /ou com as doses de carência e de críticas permanentes. Em função da quantidade de afecto ou de desamor que recebes vai te fazer sentir uma pessoa capaz, valiosa ou ao invés uma pessoa incapaz sem valor. Quanto pior uma pessoa se sente com ela mesma mais medo tem de encontrar alguém a quem amar, por isso muitas vezes contentamo nos com a primeira pessoa que se fixa em nós e que muitas vezes não escolhemos