Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018

Estilhaços de Júlio Machado Vaz uma noite como as outras

Coisas lidas

 

6602024B-6E64-4728-A543-E4C05462C082.jpeg

 

 

Uma noite como tantas outras. Depois das outras, porque outras existiram há uma eternidade, meia dúzia de anos.

Ele chegado de cama alheia para onde tenciona regressar, ela evitando a sua por apenas desejar dormir, embora sono profundo a não visite com frequência. Nem uma palavra na escuridão: de malícia brincalhona para apimentar a parte do amor que dizemos fazer, usando metáfora de construção civil; de raiva dorida, que magoa e por isso traz algum alívio pela certeza de estarem os dois de alma inteira; de solidão partilhada por antigos amantes olhando o teto, os corpos nus de luto pesado pelo espasmo que já não volta .Nem uma palavra. 

Ela empresta o corpo, se isso se chama  a abrir as coxas para ele entrar e permanecer. A cabeça fugiu e deixou o olhar baço, o coração vestiu armadura tecida em noites de espera e posta à prova por telefonemas anónimos e avisos voluptuosos de amigas e familiares. Assim a tem, vagina áspera  e quadris imóveis, nem o prazer reflexo lhe concede.O coração. E ele encarniças -se , na esperança toda macha de a sentir em arco, exigindo promessas, mostrando saudades, reprimindo  um gemido que não seja de dor ou fastio.Se a não tiver como poderá engana-la? Ninguém aprecia escapadelas sem ter braços a que voltar e depois…, 

Um sabor a injustiça caprichosa de mulher. Os homens são os homens, pousam em flores que não as suas mas delas não trazem o pólen, regressam e imaculados, a alma nem chegou a partir e o corpo teve a delicadeza de passar pelo chuveiro. 

(...)

Querida. 

E algo irrompe dentro dela, feroz de triste, a noite deixa de ser como as outras, muito menos como as outras de antanho. Vestido roubado com um safanão ao sossego do cabide ,  nua em direção à porta do quarto, ele surpreso e preso de estupor quando a chave roda na fechadura; Prisioneiro. A vida tem destas ironias, anos atrás libertou- a de marido sufocante com promessas de novo amor para sempre, mais livre e adulto, sem porrada velha e ciúmes alcoólicos. Estranho jogo, dois homens disputando mulher a quem reservavam o mesmo destino, interessará a forma da gaiola que prende o pássaro e lhe estrangula o canto? 

Nem palavra de conforto a si própria ou resposta à fúria dele. A sala. A velha telefonia ilude o cansaço, ninguém se lembrou de lhe permitir o descanso, música noite dentro para gente da sua idade, costumava esperá-lo no escuro , ansiosa  por acreditar nas suas mentiras. Stop!, in the name of love… Último aviso? Pois bem: recebido e desprezado. Enquanto se dirige ao quarto da miúda vai remoendo preocupação ridícula em momentos de decisões graves, memória do que se orgulhava constantemente fazendo negaças nos últimos anos por força da idade ou tristeza, talvez ambas; quem canta? Diana Ross and the  supremes…, Jesus!, Estes programas são cruéis, não se devolve assim a uma pessoa a adolescência traída. 

Acorda-a. Vamos, despacha-te. A garota não faz perguntas, conhece as respostas há muito tempo. Ignora os murros na porta e as ameaças apocalípticas para o futuro próximo. Afinal tão parecidos os dois homens da sua não - vida, que remédio se não mudar ela? Sorri à  telefonia e o verso traz -lhe o passado, it’s to late to stop now .Ao sair pensa que há muito não escuta Van Morrison.

Estás bem? A filha com enorme bom senso, tenho sono. Um porto de abrigo, mas provisório, definitivamente provisório, encalhou com  estrépido nos homens mas não tenciona acabar os seus dias em doca seca de família, navegar é preciso, onde pararão  os discos de Chico Buarque? As duas de mãos  dadas, vamos dormir aos avós.

 Braços e velho quarto de solteira abertos, o inevitável " não me quiseste dar ouvidos…" A miúda dormindo tranquila, deixá-la estar . Ainda não sabe como são ferozes as guerras dos adultos quando termina o combate corpo-a-corpo, tribunais, visitas, insinuações, recados; deixá-la estar. "Não nos quiseste dar ouvidos?" Não é bem uma questão de vontade, alguns alertas apenas se escutam quando são as entranhas a grita-los, associação imediata, Betânia no Coliseu para a semana. Quase envergonhada, parece impossível, tudo o que aí vem e ela a pensar num concerto, mas há quanto tempo não fecha os olhos e aperta a mão de alguém no escuro da plateia? Eles nunca… 

Irão as duas. De qualquer modo a adolescência ao virar da esquina, a garota ansiosa por saída noturna que lhe dará estatuto ao espelho e na escola, necessário colecionar recordações para o resto da viagem, não vá a vida tecê-las e recusar -lhe os sonhos… Credo! , pensamento sinistro.

 Irão as duas. Juntas. Com açúcar e com afeto.


publicado por AnnaTree às 16:16
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Notícias Magazine 1/10/20...

. Sword of Democles Lou Ree...

. Estilhaços Júlio Machado ...

. Estilhaços de Júlio Macha...

. Estilhaços de Júlio Macha...

. Estilhacos de Júlio Macha...

. Estilhaços de Júlio Macha...

. Estilhaços de Júlio Macha...

. Estilhacos de Júlio Macha...

. Estilhaços de Júlio Macha...

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Agosto 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds