Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

20
Set10

conto virgem II

AnnaTree

Coisas Lidas

 

(...)

A entrada do grupo foi quase silenciosa mas o Padre, hábil em distinguir ruídos na quietude da sua igreja, voltou imediatamente a cabeça.

(...)

Mas agora a cara do Padre implodia de raiva. Mal ouviu o grupo, o corpo saltou-lhe da cadeira onde estava ajoelhado e ficou de frente para todos eles, alto e severo.

 

Do seu lugar privilegiado dentro da igreja, observava os homens, um a um. A batina preta embranquecia-lhe ainda mais a pele do rosto.

O grupo avançou em passos abafados pelo tapete azul que levava ao altar. Perceberam logo que eram esperados com ansiedade mas sem grande simpatia. A perto de dois metros do Padre, á distancia que cada homem deve ter do seu próximo para não se picar nem ser picado, todos pararam. Formaram então uma meia-lua em torno do homem-sol, pois não era o Padre quem lhes trazia a luz divina?

Xavier Medina atirou a primeira pergunta:

- Que aconteceu, Sr. Padre?

O Padre mordia o lábio inferior, para conter as palavras. Contudo, o dedo que apontava para o altar atrás de si tremia-lhe tanto que a mão parecia desconcertada, sem saber para onde ir.

Só então viram.

Aos pés da Virgem Maria, que ocupava o nicho central do altar havia imensas jarras cheias de rosas vermelhas. Vermelho vivo como uma labareda.

 As velhas benzeram-se. Um burburinho correu como ventania entre todos.

A velha avó abriu a boca e tapou-a com a mão rugosa:

- Rosas vermelhas para a Virgem....ai meu deus, mas quem trouxe isto?!

A outra velha deu logo o seu parecer.

- É pecado! A Virgem está corada de vergonha!

De pálido, o Padre passou a roxo. Já não aguentava mais a indignação que aprisionava na garganta. ia...explodir ergueu o braço direito e agitou-o para o grupo. Era o sinal de avançar com uma carga sobre os infiéis.

- Não sei se a Virgem esta corada de vergonha ou de raiva ao mesmo tempo.

(...)

. A pesada porta da sacristia gemeu longamente. Todas as cabeças s voltaram para ela.

(...)

De fato escuro, o homem de barbas bem tratadas caminhou na direcção do Padre abanando a cabeça para cima e para baixo ia respondendo ao cumprimento que alguns homens lhe dirigiam timidamente. Chamavam-lhe Sr. presidente». Mas assim que viu á sua frente a mancha negra da batina do Padre, pregou os olhos ao chão. Estava perto, muito perto de saber. Sem avançar um centímetro mais, inclinou a cabeça para a orelha esquerda do homem de Deus e sussurrou-lhe nervoso:

- Que se passa ser Padre? Ouvi o sino tocar a rebate...

(...)

 Mas o Padre não se fez esperar. Interessado em que todos tomassem conhecimento da tal pouca vergonha que até o sino enervou, esqueceu que uma pergunta a meia voz merece uma resposta no mesmo tom, e gritou a voz e meia:

- Um sacrilégio! Um grande sacrilégio. Encheram o altar da Virgem Maria com rosas vermelhas. Veja com os seus próprios olhos. Veja! Eu já não posso olhar porque ali só vejo Satanás.