Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

29
Out07

Parte VI do grande e do pequeno amor ines pedrosa e jorge colombo lido marc2007

AnnaTree
Coisas lidas e vividas

Um gesto tão dela que, sem saber como nem pensar porque, ela percebeu que o seu corpo corria pela escada, sôfrego, infantil, ardendo de desejo, a trás dele. Como se tivesse acabado de sair do carro agora mesmo, e os dois últimos meses tivessem sido uma surda hibernação, um sonho mau; como se fosse a tempo de desfazer um gesto errado.
Nenhum deles aprendera a resistir ao chamamento do outro. Era como se os seus nomes respondessem, á revelia dos donos, de cada vez que eram prenunciados pelo outro. «Preciso de ti», disse ela. «É uma estupidez, bem sei, não nos entendemos, pois é, mas preciso de ti.» «Vamos tentar», disse ele, «temos de conseguir entendermo-nos, sem ti a vida dói» «ainda mais do que comigo?», perguntou ela, rindo.
(…)
Juntos, tentavam prolongar a ilusão de que o vício de um outro corpo é incurável. Diz-se que é uma questão de pele. Desculpas. Pele é pele, dedos são dedos, alavancas são alavancas. E por aí fora; é uma questão de fantasia. Uma questão de literatura. Rigorosamente, ela não precisava dele para fornicar. Ninguém precisa de ninguém para o exercício do sexo do que todos precisamos é do amor dos outros. O amor pequeno, parcelar, da ternura e da vaidade; e o amor grande, que se nos entranha como um órgão imaterial e nos faz respirar por toda a vida.
Acordar dentro do amor da pessoa amada; encontrar o cheiro quente da felicidade nos lençóis escangalhados pela felicidade pela solitária viagem dos sonhos. Olhavam um para o outro e pensavam em uníssono: como? Como podiam ter vivido longe um do outro? Que importância tinham as mesquinhices que os haviam separado? «Ainda bem que correste atrás de mim, naquela noite», dizia ele. «Enganaste; corri atrás de mim mesma», dizia ela. Era um dizer sem palavras, o deles, de cérebro para cérebro. Aquela relação dispensava conversas; ambos viam as palavras flutuando, iluminadas, sobre as carícias partilhadas. Temiam que, começando a falar, essas palavras exactas, frágeis, absolutamente silenciosas, se quebrassem.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.