Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

10
Dez07

Qual o limite para conviver com o stress ?

AnnaTree
coisas mailadas...

Qual o limite para conviver com o stress? Esta reportagem mostra até que ponto os líderes podem ser afectados e como podem defender-se desta praga. E pretende ser um alerta para afastar a classe executiva de uma zona de risco ameaçadora.
José Eiras Antunes, director da Sogrupo GI, empresa de gestão de imóveis da Caixa Geral de Depósitos, sabe bem do que falamos. Por três vezes recebeu internamento hospitalar e ficou sob vigilância em cardiologia. Tudo indicava estar perante um ataque cardíaco.
Eu considero-me difícil mente abatível, pois sempre tive grande intensidade de trabalho. E quando há um esforço de projecto, eu lido bem com isso, porém quando se junta a gestão de interesses, a pressão psicológica e os conflitos internos é mais difícil. É nesta altura que é vital a gestão emocional, considera Eiras Antunes.
Este executivo foi durante sete anos director no grupo BCP, dois anos director de marketing da Jazztel, um ano administrador-delegado do Instituto Superior de Gestão (ISG), dois anos e meio presidente da Affinis, e um ano consultor e chefe do projecto Powerline, na EDP, até chegar à função que tem hoje na Sogrupo GI. Tudo cargos exigentes e também muito desgastantes.
Aos 34 anos o seu corpo deu o primeiro grito. Estava na Ocidental Seguros (BCP) a lançar os produtos de reforma. Era o momento da afirmação dos seguros dentro do BCP, e durante um mês trabalhei sem conseguir respirar, com pontadas no peito. Fui internado no Instituto do Coração e durante três ou quatro dias andei ligado a uns fios para ver o que dava, recorda. Afinal nada ficou registado. Era apenas stress.



E para descomprimir :
Um dia o Belmiro de Azevedo contratou um trabalhador e colocou-o a abrir rasgos na terra.

Deu-lhe um horário de trabalho das 8:00 as 17:00 horas.
Certo dia Belmiro de Azevedo observando o trabalho do seu colaborador, achou que podia ser melhor aproveitado.

Sugeriu-lhe então o seguinte:
- Ó amigo, já que você tem 2 mãos, com uma mão você cava e com a outra vai regando. Olhe e já agora começa a vir das 7:00 ás 18:00 horas.

No outro dia, Belmiro de Azevedo olhou outra vez para o seu colaborador e achou-o ainda pouco produtivo. Então sugeriu-lhe:
- Já que você além das mãos tem também uma boca, podia enchê-la de sementes e enquanto com uma mão cava e com a outra rega podia cuspir
as sementes. Já agora começa a trabalhar ás 6.00 e termina ás 19:00 horas.

Noutro dia Belmiro de Azevedo começou a pensar que o seu colaborador deveria trabalhar enquanto houvesse luz de dia. Portanto sugeriu-lhe
que o seu trabalho passasse a ser das 5:00 até ás 22:00 horas. E assim foi.

Um dia quando o pobre trabalhador voltava a casa do trabalho, deparou com a sua mulher com outro homem na cama.

O homem, chorou, chorou, chorou vezes sem conta até que a mulher e o amante desesperados com aquela situação, tentaram consola-lo,
perguntando-lhe porque chorava ele assim tanto. Ao que ele respondeu:
- Se o Belmiro de Azevedo descobre agora que tenho 2 cornos, coloca-me lá umas lanternas e põe-me a trabalhar a noite.

3 comentários

Comentar post