Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008

O Malmequer e o Cravo

Coisas lidas
Historias e Lendas(em poesia)

 

 

Num jardim encantador
Cheio das flores mais belas,
É que nasceu malmequer,
Perdido no meio delas.

Tinha o jardim violetas
Entre folhas escondidas,
Tinha cravos perfumados,
E as papoulas garridas.

Tinha junquilhos,azáleas,
Tinha gerânios e rosas,
Tinha todas as flores,
As feias e as formosas.

Até lá nasceu arruda
Que é feia e detestada,
E ao pé dela, uma angélica
Toda fresca e perfumada.

Algumas só com o sol
É que se erguiam belas,
Outras ,então, só abriam
Á linda luz das estrelas.

Uma há que a madrugada
Risonhamente inflora,
É azul da cor do céu,
E só abre quando é noite.

Quando orvalha o jardim
Tem aspectos interessantes,
Parecem flores toucadas
Por milhões de diamantes.

Viviam todas as flores
Em completa harmonia.
Nunca lá houve tristeza,
Reinava sempre alegria

Mas um dia o malmequer
P’la rosa se apaixonou
E a guerra entre as flores
Bem depressa começou.

O cravo , havia já muito,
Que também fora ferido
Do amor, e pela rosa
Era já correspondido.

Como eram cautelosos,
No jardim ninguém sabia
Que eles eram namorados,
Que grande amor os unia.

O malmequer, furioso,
Todo cheio de despeito,
Consultou o advogado,
Que era o amor-perfeito.

Ele disse ao namorado;
Conheço bem a mulher,
Ela só costuma amar
Aquele que mais lhe quer.

O malmequer ,radiante,
Cheio de esperança ficou
E disse:- então vou mudar,
Malmequer eu já não sou.

E já todo satisfeito
Para o seu lugar voltou.
Que a rosa olhasse para ele,
Baldadamente esperou.

E cheio de ansiedade
Todo dia ele passou!
Chegou a noite, coitado,
De desespero chorou.

Era já noite fechada
Completa a escuridão;
Sentiu passos , escutou,
Meu deus! Não era ilusão.

Nisto, uma nuvem negra ;
Linda estrela descobriu,
Desgraçado malmequer!
O que o pobrezinho viu...

A rosa em abraço terno,
Ao lindo cravo cingida.
Não sei como malmequer
Não perdeu logo a vida!

Felizmente, que a nuvem;
De novo a estrela velou,
E o pobre do malmequer,
Uma vingança jurou!

Já nasceu a madrugada,,
Como vem doirada e bela!
A sua luz resplandecente,
Paira na rosa amarela.

Como está fresca a rosa,
Tão radiante, tão linda,
Olha malmequer pra ela
E diz-lhe: -eu vivo ainda,

Mas por ti morrer eu vou,
É o teu amor que me mata
Porque é que desprezaste
O meu amor? Oh! Ingrata

E, a si se desfolhou
Sem que a rosa sequer
Ouvisse o que ele dizia:
-bem lhe quero mal me quer.

Passava pelo jardim
A filha do jardineiro.
Chorou, ao ver a flor
Desfolhada no canteiro.

Porque foi que o malmequer
Tão depressa desfolhou?
Ele era ainda tão novo!
O que foi que o matou?

Olhou para o lado e viu
A linda rosa amarela,
E, ao vê-la, descobriu
Que de certo fora ela.

A causadora da morte
Do pobre do malmequer.
E, vai a ela, corta-a,
Vingar o pobre ela quer.

Levou a rosa para casa.
Castigou sua maldade
Não amava o malmequer?
Mas tivesse piedade!

Assim, foi má, o amor
Do malmequer desprezou
Sem sentir dó, mas a filha
Do jardineiro o vingou.

Mª lobão


publicado por AnnaTree às 10:25
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 40 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nem as mulheres são tão c...

. Nem-as-mulheres-sao-tao-c...

. Nem as mulheres são tão c...

. Nem as mulheres são tão c...

. nem-as-mulheres-sao-tao-c...

. nem-as-mulheres-sao-tao-c...

. Nem as mulheres são tão c...

. Maria Jesus Alava Reis “n...

. No princípio estava o mar...

. Óscar Wild Fidelidade

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Agosto 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds