Domingo, 1 de Julho de 2018

A dois e dois arrastando-me José Mário Silva revista DN

F9C59733-F729-4F3A-9E00-A78173B663A6.jpeg

Coisas lidas

A dois e dois arrastando-me
Nunca nada assim tão forte, como naquela manhã os teus olhos, os teus olhos, como dizer os teus olhos naquela manhã, sob luz de julho, as pupilas abertas, um brilho inexplicável a puxar-me para dentro de ti, como se me engolisses de repente, e eu e as coisas à minha volta suspensas no ar - o cigarro, o fumo que saíra um segundo antes das minhas narinas, a bicicleta amarela veios vermelhos (ferrugem) encostada à parede, a mala de couro, o jornal saindo do bolso esquerdo da gabardina- e depois tudo isso, eu e as coisas à minha volta suspensas no ar, caindo dentro das pupilas abertas dos teus olhos, através do brilho inexplicável dos teus olhos. Não me peças rigor, não me peças nitidez, Não me peças nada. Havia ali perto um jardim, este jardim. Árvores de copa larga, o relvado com cães à solta, um retângulo de areia grossa com escorregas pintados de azul (…) Havia um jardim que era igual a todos os jardins: com os mesmos bancos de madeira, os mesmos velhos imóveis a vislumbrar sítios que já não existem a não ser nas suas vacilantes memórias, as mesmas mães conduzindo os mesmos carrinhos com bebés amorosos lá dentro. Havia um jardim que nós atravessávamos, a tua mão guiando-me, e quando o atravessamos ele encheu-se de sombras, sombras crescendo atrás de nós, de cada um dos nossos passos, como se o mundo não fizesse sentido depois de ti. E não fazia.
O chiar do baloiço mal oleado perseguía-nos como uma ameaça, o jardim cheio de sombras preparava a sua vingança e nós trazíamos atada aos pulsos a inocência, como Adão e Eva expulsos do Éden. A cidade era uma coisa vaga, cheio de esconderijos. Pensões baratas, quartos minúsculos, arrecadações. Nós ficávamos uma noite ou meia hora, acesos e furtivos, perplexos com o milagre de haver dois corpos capazes de se encaixar nos ângulos obscuros das casas.
O tempo estilhaçou-se . Cacos por todo lado. Arestas e golpes.
(…)
Nunca saberemos quando é que o espelho se partiu. Cacos por todo lado.
(...)
Um dia, acordei lúcido. Tu não estavas junto a mim e as coisas tinham a respiração serena da normalidade. À minha volta, a tua ausência ocupava espaço visível. Era um uma concavidade, um vento frio a rasgar o dia com força bruta, uma navalha absurda. As pessoas impunham-me respeito e comiseração, fingindo não reconhecer nos meus gestos os sinais da loucura.
Em suma, desapareceste. E eu não voltei a olhar para outros olhos, neste jardim agora obscenamente iluminado.
José Mário Silva revista DN

 José Mário Silva revista DN

 


publicado por AnnaTree às 10:16
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Antologia Poética de Cast...

. Cafuné de Mário Zambujal

. Cafuné de Mário Zambujal

. Mário Zambujal . Cafune

. Sophia Melo Breyner

. De artifícios e adereços ...

. A vizinhança do Outono Jo...

. José Jorge Letria O grand...

. José Jorge Letria Um casu...

. José Jorge Letria Detém-t...

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Agosto 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds