Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

09
Out18

Cafuné de Mário Zambujal

AnnaTree

Coisas lidas 

 

 

(...)

 Desceu ao jardim, no propósito de continuar a tarefa da véspera. Arrancou ervas, aplanou a relva, observou a nespereira  e o diospireiro , a ver se entendia que Ramos cortar para a reclamada poda.

 Nesse intuito se esforçava quando ouviu passos no varandim e para lá deitou o olhar esperançado. Com razão. Era Dália , radiosa e e fresca como o fim da madrugada, logo atirando um “bom dia” adoçado pelo sorriso. 

Desceu a escada tão rápida como ele pediria se ousasse pedir e de novo apareceu com blusa larga e fina, decote mais amplo ainda do que do dia anterior. Estacara e Rodrigo pôde admirar como a brisa da manhã lhe empurrava a saia leve para o entrepernas, desenhando com nitidez as coxas magníficas.

Visão demasiado sugestiva para que se mantivesse calmo e indiferente. Quis não ver e dobrou-se a arrancar do relvado rebentos daninhos. Sacrifício inglórios. Dália puxou a saia acima dos joelhos e sentou-se, pertinho, pertinho. Outra vez a atração do decote revelador. Baixou a cabeça para não olhar o que tanto lhe chamavam os olhos. Moviam-se em silêncio e silêncio era sinal de que a intensidade dos sentidos impedia palavras desajustadas. 

 

16707BAB-AC72-47D4-A832-7E8DFC91D010.jpeg

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.