Quinta-feira, 12 de Julho de 2018

Cartas perdidas . N. M. 15 janeiro 2006 

coisas lidas

 

A1C60F02-28C6-49D2-81FF-9419E1D08DBD.jpeg

 

 

Carta a carta, foi -se afundando no imenso mar de vergonha de si próprio. Não se reconhecia hoje no fingidor que transparecia em algumas daquelas muitas frases. Sempre afirmara, com uma petulância que se assemelhava a soberba, que nunca magoaria ninguém. Ali estava um espólio epistolar que desmoronava essa imagem que de si construira .Tudo isto tinha muitos anos. Provinha dos tempos em que se escreviam cartas, em que o amor, o sofrimento, a alegria, exalavam de folhas de papel através de palavras pensadas, porventura choradas. Cartas que sobreviveram ao tempo e que naquele dia, ou em qualquer outro, revelavam o que fora e fizera ,na verdade mais crua e brutal. 

Não há tecnologia que consiga este resultado. Hoje a comunicação epistolar é uma relíquia da antiguidade. Não se usa. As pessoas falam-se mas não se escrevem. Quanto muito correspondem-se por SMS e e-mails encriptados, em linguagem de abreviatura. Ninguém aguarda o correio. Não se espera que, além de publicidade e contas traga notícias de alguém distante, novos de amores longínquos, encantamentos feitos com palavras. Não se seduz por carta . Aliás já não se seduz. Não se declara por carta. Aliás já ninguém se declara . Não se passam noites a fio compondo cuidadosamente uma redação na esperança que o destinatário a leia com enlevo e sentimento. Não há tempo pra essas loucuras. Além disso, o messager assegura o resultado imediato. Para quê tanto esforço despendido num romantismo “Fatela"? O amanhã é já hoje e o hoje é agora. Acresce ainda que o ato de escrever prevê conteúdos, vocabulários e fermento de imaginação. Nada disto cresce nas árvores e se apanha nas manhãs de primavera. Pressupõe leitura, alguma concentração e o despertar para a magia da palavra. E essa implica silêncio, isolamento e um pouco de trabalho. Por isso, daqui a 20 anos poderão recordar o passado de forma tão impressiva  e autêntica. As memórias dos nossos computadores nunca transformarão significado da palavra escrita pela mão de quem sofre ou de quem ama. Os homens e as mulheres que a escola e a sociedade de hoje aproveitando não terão sentimentos diferentes. Não deixarão de querer agarrar o infinito e de conquistar a felicidade. Mas não viveram a experiência inexcedível de tentar pela palavra tocar a alma ausente, transformando a ausência em presença viva e permanente. 

 

 

 

 


publicado por AnnaTree às 17:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 36 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Boas pessoas por Eduardo ...

. Cartas perdidas . N. M. 1...

. Uma candeia de Adolfo Cas...

. Libertar a sexualidade (c...

. Maitê Proença livro de cr...

. A dois e dois arrastando-...

. Os primeiros encontros re...

. 16 setembro 2005 revista ...

. A Classe Dividida

. Júlio Dinis Professor

.arquivos

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Agosto 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds