Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2019

Maria Jesus Alava Reis “nem as mulheres são tão complicadas nem os homens tão simples”

Coisas lidas

 

 

 

 

Uma relação sem crise é como uma criança sem horizontes, condenada a não crescer. 

(...) 

Neste livro vamos procurar aprender as chaves que nos explicam porque razão algumas relações podem ser salvas e porque razão devemos pôr termo a outras relações onde o desamor esteve presente, pelo menos num dos componentes do casal.

(...)

As causas que as dúvidas podem desencadear são tão diversas como complexas são as pessoas. Um comentário, uma atitude, uma conduta que não tínhamos dado importância outras vezes , adquire de imediato um dramatismo que parece mover os alicerces mais profundos. Outras vezes, aparentemente não terá acontecido nada de especial, mas os nossos pensamentos, de forma quase imperceptível, começarão a questionar o que o parceiro fez ou deixou de fazer, o que nós desejávamos que fizesse , O que julgamos que deveria ter ocorrido, o que o outro pode estar a pensar, o que não nos diz mas espera que nós adivinhemos, o que nos oculta… No fim, encontramo-nos no meio de uma grande tormenta originada por nós próprios. Nestes casos, o casal sofre um forte desgaste. Por um lado, a pessoa que não controla os seus pensamentos e não é consciente de que está a provocar emoções erradas, pede, exige ou espera o que o outro não pode dar-lhe; e, de repente, o outro membro sente como uma enxurrada, que não sabe de onde veio, arrasta e faz naufragar a sua relação Afetiva.

(...)

Se o homem identificou amor com compulsão sexual, quando esta diminui com a passagem do tempo, ou porque ocorreram uma série de circunstâncias que condicionaram essa relação, pode pensar que já acabou amor e, por conseguinte, muda a sua conduta ou as suas manifestações. 

As mulheres têm mais dificuldade em assumir que o amor acabou, porque o sentem de maneira diferente. Salvo certos casos, e em determinadas idades, para a mulher a sexualidade será mais um componente do amor, mas não único, e muitas vezes nem sequer será o elemento crucial.

 A afetividade também é diferente e a mulher será especialmente sensível às manifestações de carinho, aos cuidados, aos mimos, atenções e pormenores por parte do seu parceiro. Para a mulher, o facto de sentir ausência destas manifestações significa que ela ainda as espera; as suas dúvidas e angústias surgem ao constatar que o seu parceiro não parece sentir essa necessidade, o que por vezes é pior, não parece ser consciente que ela está a sentir-se mal. 

Começam então as divergências insuperáveis e, sem querer, surgem as sementes do desencontro.

A mulher, longe de pensar que o homem sente o amor de outra forma e manifesta-o de maneira diferente, começa a pedir e a exigir essas manifestações afetivas que tanto anseia e que nela estão unidas ao facto de sentir amor. 

Frequentemente, o homem fica surpreendido e sente-se constrangido a ter determinadas manifestações afetivas que lhe são difíceis, pois muitas vezes não surgem de forma espontânea. Por outro lado, o facto de se sentir "quase obrigado", longe de estimulá-lo ou de aproximá-lo afetivamente, provoca-lhe repulsa e distanciamento. 

As dúvidas sobre se acabou o amor ou o carinho muitas vezes não ocorreriam se ambos , homens e mulheres conhecessem perfeitamente a forma de viver o amor de uns e outros; soubessem pormenorizadamente as distintas fases que atravessam, a sequência de manifestações afetivas que se vão Realizando, como podemos estimulá-las, o que faz que esse amor cresça todos os dias, o que o que o destrói, o que o potencia , e o que o arruina…


publicado por AnnaTree às 10:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 40 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nem as mulheres são tão c...

. Nem-as-mulheres-sao-tao-c...

. Nem as mulheres são tão c...

. Nem as mulheres são tão c...

. nem-as-mulheres-sao-tao-c...

. nem-as-mulheres-sao-tao-c...

. Nem as mulheres são tão c...

. Maria Jesus Alava Reis “n...

. No princípio estava o mar...

. Óscar Wild Fidelidade

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Janeiro 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Agosto 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

SAPO Blogs

.subscrever feeds