Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

16
Jul19

Nem as mulheres são tão complicadas nem somos tão simples Maria Jesus Reis

AnnaTree

Coisa se lidas

C974CD6C-9BC2-4045-9520-9D30AF1CCBFD.jpeg

(...)

Os fatores que mais influem para que uma relação, que está no auge do enamoramento, começe a descer e se converta numa relação “ sem luz “ , são os seguintes: 

- a rotina. Tudo o que antes era novidade começa a converter-se nessa rotina tão conhecida,  que em muitos casos retira parte da força e do estímulo do que a relação amorosa se alimenta.

- a falta de novidade. Os factos começam a repetir-se, a pessoa deixa de ser uma interrogação constante para passar a ser um livro aberto, que sem pudor nos mostra cada uma das suas páginas. Nessa transição que vai do desconhecido ao familiar, onde as surpresas deixam de estar presente, uma parte importante do” halo” que coroava a relação começa a desvanecer-se. 

-Diminuem os esforços. Com a rotina e a falta de novidades chega a relação quotidiana e nela começamos a repetir os esquemas que temos tão gravados e que nos surgem de uma forma automática.

(...)

- começa a desmotivação.  

(...)

-discrepâncias no uso do dinheiro, na forma de ganhar-lo, de gastá-lo, no que constitui necessidades e no que significa caprichos….

 - podem surgir ingerências por parte da(s) família(s) do casal, ou do círculo de pessoas mais próximas: amigos, companheiros de trabalhos, associados....

— Aumenta o nível de exigências, na mesma proporção em que diminui a paciência começam os pontos de desencontro. As admoestações , mesmo os ralhetes, substituiem a comunicação positiva reforçadora.

 (...)

 — as relações sexuais apetecem cada vez menos intensidade e frequência. A Criatividade e a cumplicidade lugar à rotina nesta área tão íntima e crucial. 

começamos a sentir pouco independência. O sentimento de falta de liberdade faz mossa em  nós e recordamos aqueles momentos em que não tínhamos que justificar como utilizávamos o nosso tempo.