Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

Arvore De Letras

Coisas lidas,ouvidas,cantadas, declamadas,faladas,escritas

19
Dez18

Revista cais número 131 Novas oportunidades, desconheço autor

AnnaTree

Coisas Lidas

2FE8D7D5-3336-4BE8-B25E-BD8F2473629E.jpeg

 

Saímos juntas mais cedo. O projeto tinha emperrado e tudo ficara suspenso do correio eletrónico que só chegaria de manhã, bem cedinho. Era escusado ficamos ali a chorar sobre o leites derramados, prazos a queimar e incompetências a que naturalmente somos sempre alheias. Pragmatismo era o que a situação exigia e decidimos ir ver as montras antes de regressar-nos às  nossas rotinas familiares. Fomos à zona comercial, ali tão próxima, o nosso quotidiano apertado não permitia incursões recorrentes. Deambulámos com passos erráticos e pouco entusiasmo. Cinema estava fora de questão que já era muito tarde para todas. Formámos um trio triste naquele fim de tarde  desprogramado . Conversa mole, volta e meia aflorar o trabalho que não tinha avançado, depois o silêncio… Enfim, o vivo retrato do desânimo. Já nos arrastávamos pelas montras aproveitando para delas fazer espelhos que não devolviam boas  notícias. Numa delas, paramos longamente observar. Numa delas parámos longamente a observar. Nenhuma de nós o disse, mas dava uma boa fotografia, sem dúvida nenhuma. Enquadramento perfeito, equilíbrio de luz e cenário de cores suaves, bem coordenadas, bem coordenadas. Demasiado brilho, talvez. É pouco contraste.

 A fotografia que revela é a que  também esconde. Revela esconde.

Revela uma menina que, do alto dos seus saltos, recebe com um sorriso contornado a lápis e pestaneja rímel, dizendo: 

-Em tque posso ajudar? 

Esconde a escola de onde fugiu sem o nono ano. 

Revela um corpo de mulher menina. Alta, esguia,coxas longas elásticas realçadas pelas calças justas de bom corte. 

Esconde o contrato de trabalho - fotogenico- que já foi fantasma, depois ganhou forma de três meses e agora de seis.

 Revela uma loja ampla e bem iluminada. Na decoração minimalista sobressaem os produtos expostos: perfumes e cosméticos. Quase poderia dizer-se que a fotografia cheira bem. 

Esconde o horário de  trabalho, desmedido. Fica sempre desfocado. 

Revela as unhas perfeitas numas mãos cuidadas que folheiam uma revista de moda sobre o balcão alto. 

Esconde um dossiê onde anda a compilar papéis para entregar noutra escola, parecida à que deixou, onde lhe disseram que assim ficava com o nono ano. 

Revela castelos de sofisticadas embalagens, algumas enormes, mas que guardam lá dentro 25 mm de diferenciação social. 

Esconde o conteúdo do tal dossiê que reúne a sua já muito variada experiência profissional. Trabalhou em três cadeias de comida formatada, distribuiu publicidade ao domicílio, fez animação de rua num evento da capital e tomou conta de crianças no seu bairro. Fêz 18 anos. 

Revela um conjunto harmonioso. É imagem de uma rapariga numa loja de luxo. Bem vestida e penteada, numa atitude muito profissional. Revela isso mesmo, mais nada. 

Reflectirá algo mais? No vidro da montra reflectem-se três figuras fé meninas de que raramente gostamos. Uns quilos a mais, uma cintura indistinta, as costas que se curvam sob o peso dos anos, das pressas, das indecisões. Retardamos o passo e miramos mais uma vez a nossa imagem na montra. Encolhemos a barriga, esticamos o pescoço na tentativa de ganhar mais uns centímetros e ainda não gostamos. Uns saltos mais altos ajudavam um pouco, claro. Então porque paramos à porta da perfumaria? A Sapataria faria muito mais sentido. É mesmo ao lado e tem modelos lindíssimos. A menina da perfumaria, em cima dos seus saltos de onze centímetros , parabéns pisar o chão com asas. Continuamos a contempla-la; tão jovem, tão bonita. A perfumaria condiz com ela. 

Voltamos ao nosso retrato. Trabalho outra vez, claro. Amanhã será um dia importante para recuperar o atraso de hoje. Ganhamos um fôlego inesperado para fazer o ponto da situação. O relógio chama-nos às obrigações familiares, despedimo-nos num ápice e o trio desfaz-se.

Esconde ainda uma dor que a parte ao meio por causa dos saltos. O cansaço sem nome das horas sem fim. Uma esperança, talvez infundada, em novas oportunidades

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.